terça-feira, 27 de outubro de 2009

Notícia publicada no site: www.agazeta.net

Centrais sindicais prestam solidariedade a militares
Líderes sindicais também prometem acionar a Ordem dos Advogados do Brasil para agir em nome da sociedade
“Se eles não podem ir para as praças públicas, nós vamos”, declarou a presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), no Acre, Rosana Nascimento, em solidariedade ao episódio envolvendo dois militares na manhã de hoje. Segundo ela, o trabalhador, seja ele civil ou militar, tem o direito de reivindicar seus direitos e não pode ser perseguido por conta disso.
O presidente da Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), José Chaves, também se manifestou em favor dos militares. “O ato do sargento é justo. A Associação dos Militares é legítima para protestar em defesa da categoria e os seus lideres não podem ser punidos por isso”, protestou.
O vice-presidente da CTB e presidente do Sindicato dos Urbanitários, Marcelo Jucá, cobrou a intervenção do governo dentro da PM. Ele tem que a represália promovida pelo comando contra os membros da Associação dos Militares possa refletir na população.
Depois de um demorado debate sobre o assunto, os lideres sindicais também prometem acionar a Ordem dos Advogados do Brasil para agir em nome da sociedade. “A OAB não pode ficar omissa neste caso e cabe a nós provoca-la para entrar em ação”, finalizou Jucá.
Prisões repercutem em Brasília
Segundo o assessor jurídico da AME, major Holanda, o militar não cometeu nenhum ato de indisciplina e, portanto não pode ser punido pelo seu protesto.“A Constituição Federal é clara, é livre a manifestação do pensamento. O império é da lei e não de uma pessoa. Nada mais legitimo para um líder sindical do que sair em defesa de seus associados, foi isso que fez o sargento”, observa o advogado.
As prisões do major Rocha e do sargento Ribeiro também repercutiram no plenário da Câmara dos Deputados em Brasília. Durante o grande expediente, quatro deputados manifestaram repúdio pelo procedimento. Os deputados Major Fábio (Dem/PB), Mendonça Prado (DEM/SE), Capitão Assunção (PSB/ES) e Ilderlei Cordeiro (PPS/AL) fizeram discursos inflamados contra a atitude, ao considerarem antidemocrática.
(Por Mariano Maciel em Brasília).
Dulcinéia Azevedo, do Jornal A Gazeta

6 comentários:

  1. Militares vamos todos nós nos acorrentarmos em praça pública e amordarçarmos como fez nosso presidente, pois me lembro que somos uma familia, e quem mexe com um de nós tá caçando briga, não podemos deichar que isto continue correndo vamos ver se o cmt vai mandar prender mais de 7 mil pessoas como foi na marcha da pec, vamos mostrar pra eles que ameacre é forte e quem mecher com um de nós tá enrolado.
    JUNTOS SOMOS IMBÁTIVEIS

    ResponderExcluir
  2. Essa é a atitude de quem representa a AME. Apesar de alguns torcerem contra, esse ato merece respeito. Essa atitude entra para a história de nossa associação. Parabéns Ribeiro.

    ResponderExcluir
  3. De que é feito um homem, senhores?
    De ideais!
    Parabéns, Ribeiro e Rocha!
    Grite por nós e iremos em seu socorro!
    Somente juntos somos fortes!!!

    ResponderExcluir
  4. cont. o que é ser policial militar:
    Como POLICIAL MILITAR, fui obrigado a me tornar gladiador em arenas repletas de terroristas, que são os membros de torcidas organizadas, em jogos de times pelos quais nem torço;
    Como POLICIAL MILITAR, sobrevivi a cinco graves acidentes com viaturas, nunca a menos de 120km/h, na ânsia de chegar rápido àquela residência onde a moça estava sendo estuprada, na qual um idoso estava sendo espancado ou uma familia sendo mantida como refem;
    Como POLICIAL MILITAR, fui juiz da vara cível, apaziguando ânimos de maridos e mulheres exaltados, que após a raiva uniam-se novamente e voltavam-se contra a POLÍCIA;
    Como POLICIAL MILITAR, fui atropelado numa BLITZ, por um desses cidadãos QUE POR MEDO DA POLÍCIA, AFUNDOU O PÉ NO ACELERADOR E PASSOU POR CIMA DE VÁRIOS COLEGAS;
    Como POLICIAL MILITAR, arrisquei-me a contrair vários tipos de doenças, ao banhar-me com o sangue de vítimas às quais não conhecia, mas que tinha OBRIGAÇÃO de TENTAR salvar;
    Como POLICIAL MILITAR, arrisquei contaminar toda a minha família com os mesmos tipos de doenças, pois ao chegar em casa, minha esposa era a primeira a me abraçar, nunca se importando com o cheiro acre de sangue alheio, nem com as manchas que tinha de lavar do uniforme;
    Como POLICIAL MILITAR, fui juiz de pequenas causas, quando EM MINHA FOLGA, alguns vizinhos me procuravam para resolver SEUS problemas;
    Como POLICIAL MILITAR, fui advogado, separando, na hora da prisão, os verdadeiros delinquentes dos "LARANJAS", quando poderia tê-los posto no mesmo barco;
    Como POLICIAL MILITAR, fui o homem que quase perdeu a razão, ao flagrar um pai estuprando uma filha, ENQUANTO A MÃE O DEFENDIA;
    Como POLICIAL MILITAR, fui guardião de mortos por horas a fio, sob o sol, a chuva e a neblina, à espera da Pericia, e o RABECÃO que, já lotado, encontrava dificuldade para galgar uma duna mais alta, ou para penetrar numa mata mais densa;
    Como POLICIAL MILITAR, fiquei revoltado, ao necessitar de um leito para minha esposa PARIR, e ao chegar NO HOSPITAL DA POLÍCIA, deparar-me com um traficante sendo operado por um médico particular;
    Como POLICIAL MILITAR, fui o cara que mudou TODOS os hábitos para sempre, andando em estado de alerta 24 horas/dia, sempre com um olho no peixe e outro no gato, confiando desconfiado.
    Como POLICIAL MILITAR, fui xingado, agredido, discriminado, vaiado, humilhado, espancado, rejeitado, incompreendido.
    Na hora do bônus, ESQUECIDO;
    Na hora do ônus, CONVOCADO.
    Tive de tomar, em frações de segundo, Sérias decisões que os julgadores, no conforto de seus gabinetes, tiveram meses para analisar e julgar, se o que eu fiz, na visão deles, foi o Correto.
    E mesmo hoje, calejado, ainda me deparo com coisas que me surpreendem, pois afinal AINDA sou humano.
    Não queria passar pelo que passei, mas fui VOLUNTÁRIO, Fiz concurso Publico, Estudei um Ano na Academia para me Formar POLICIAL, ninguém me laçou e me enfiou dentro de uma farda, né? Observando-se por essa ótica, é fácil ser dito por quem está "DE FORA", que minha opinião NÃO IMPORTA, ou que simplesmente, não existe.
    AMO O QUE FAÇO E O FAÇO PORQUE AMO. Tanto que insisto em levar essa vida, e mesmo estando atualmente em outra esfera do serviço policial, sei que terei de passar por tudo de novo, a qualquer hora, em qualquer dia e em qualquer lugar.
    E O FAREI, SEM RECLAMAR, NEM RECUAR, POR MIM E POR VOCES.
    Porque, se o Senhor não guarda a cidade, em vão vigia a sentinela.
    Por isso é que fazemos nossa parte Todos os dias de nossa VIDA:
    VIGILANTES SEMPRE!
    Que Deus abençoe a todos.
    Ore por nós, pelos Policiais...

    ResponderExcluir
  5. O QUE É SER POLICIAL MILITAR?
    Todas as profissões têm um estigma.Em um momento inspirado, o autor do texto desabafou em uma comunidade de Direitos Humanos no Orkut sobre o que é ser policial militar (pois criticavam os policiais, só para variar). O texto é de uma pessoalidade ímpar e paradoxalmente gera uma identificação imediata por qualquer PM. Soou quase como uma oração, por isso se você é policial militar leia até o fim e diga se já não se encontrou em alguma situação citada nestas linhas. Caso não seja PM, aconselho do mesmo modo a leitura. Talvez assim entenda o quanto esta profissão é árdua.
    ANTES DE SER POLICIAL CIVIL, EU FUI POLICIAL MILITAR;ANTES DE SER POLICIAL MILITAR, EU FUI CARTEIRO; ANTES DE SER CARTEIRO, FUI BOMBEIRO;
    ANTES DE SER BOMBEIRO, FUI COBRADOR DE ÔNIBUS;
    ANTES DE SER COBRADOR DE ÔNIBUS, FUI FUZILEIRO NAVAL;E ANTES DE SER FUZILEIRO, FUI PALHAÇO DE CIRCO. PARALELAMENTE A ESTAS PROFISSÕES, SOU DESENHISTA DE QUADRINHOS E PROGRAMADOR DE JOGOS PARA WEB, ALÉM DE LECIONAR HISTÓRIA QUANDO ESTAVA NA UFRN.
    Como desenhista de quadrinhos, ouço de alguns, SEMPRE, que sou um desocupado.
    Como programador de jogos, ouço de alguns, SEMPRE, que sou um nerd idiota.
    Como palhaço de circo, ouço de alguns, ATÉ HOJE, que aquilo é vida de vagabundo.
    Como fuzileiro naval, ouvi de muitos, que fui um BONECO DO ESTADO.
    Como cobrador de ônibus, ouvi de muitos, que eu era um ladrão, por não ter, às vezes, moedas de R$ 0,01 e R$ 0,05, para dar de troco.
    Como carteiro, guardo cicatrizes, para o resto de meus dias, de mordidas de cães e de acidentes de trabalho, como atropelamentos, causados pelos ZECAS da vida, além de ouvir DE TODAS AS MÃES COM AS QUAIS ME DEPARAVA, que eu era "O HOMEM DO SACO" que iria raptar as criancinhas.
    Como bombeiro, NUNCA recebi um obrigado, ao retirar um gatinho de uma árvore, nem por mergulhar num esgoto, para salvar uma pessoa que foi levada por uma enxurrada. Tive que aprender a me ACOSTUMAR com isso, além de começar a compreender como a linha da vida é tênue e a matéria se desfaz por besteira.
    Como POLICIAL MILITAR, enfrentei O MAIOR CHOQUE CULTURAL DE MINHA VIDA, ao ter de argumentar com todo tipo de pessoas, do mendigo ao magistrado, entrar em todo tipo de ambiente, do meretrício ao monastério.
    Como POLICIAL MILITAR, fui PARTEIRO, quando a ambulancia não chegava e não dava tempo de levar as grávidas ao hospital, na madrugada;
    Como POLICIAL MILITAR, fui psicólogo, quando um colega discutia com a esposa, diante da incompreensão dela, às vezes, com os horarios e a profissão do marido;
    Como POLICIAL MILITAR, fui assistente social, quando tinha de confortar A MÃE DE ALGUMA VÍTIMA assassinada por não possuir algo de valor que o assaltante pudesse levar;
    Como POLICIAL MILITAR, fui borracheiro e mecânico, ao socorrer idosos e deficientes com pneus furados;
    Como POLICIAL MILITAR, fui pedreiro, ao participar de mutirões para reconstruir casas destruídas por enchentes;
    Como POLICIAL MILITAR, fui paramédico fracassado, AO VER UM COLEGA IR A ÓBITO A BORDO DA VIATURA ATINGIDO POR UM MARGINAL;
    Como POLICIAL MILITAR, fui paramédico realizado, ao retirar uma espinha de peixe da garganta de uma criança indefesa;
    Como POLICIAL MILITAR, fui apedrejado por estudantes da mesma escola na qual estudei E FUI PROFESSOR, por pessoas do mesmo grêmio do qual participei;

    ResponderExcluir
  6. BOMBEIRO CARLOS FONSECA - TURMA DA PM DE 198628 de outubro de 2009 13:50

    AO TAL DE LINUXAC QUE PERGUNTA QUEM É O SGT BM RIBEIRO.....ELE ESCREVEU NO "NOTÍCIAS DA HORA".
    escrito por BOMBEIRO CARLOS FONSECA, outubro 28, 2009

    LEIAM NO NOTÍCIAS DA HORA AS PALAVRAS ESCRITAS POR UM FRUSTRADO.

    TU NÃO É ACREANO DE CORAÇÃO PORRA NENHUMA !!
    TU NUNCA DOOU O SEU SANGUE RUIM PRA NINGUÉM !!
    TU NUNCA SALVOU NADA MUITO MENOS UMA VIDA !!
    TU ÉS UM MERDA E MESMO VOCÊ TENDO O DIREITO DE EXPOR SEUS PENSAMENTOS DE CAMARÃO, AINDA ASSIM EU GOSTARIA DE TE ENCONTRAR PRA TE EXPLICAR UMAS COISINHAS BÁSICAS, COISINHAS ESTAS QUE SEU CÉREBRO DE (MINHOCA) FAZ QUESTÃO DE NÃO QUERER ABSORVER.
    EU SOU CARIOCA, TENHO 47 ANOS,SALVEI VIDAS, DOEI SANGUE, FUI PM, FUI BOMBEIRO, VIVÍ NO ACRE POR 2 DÉCADAS, ESPOSA ACREANA.....EU SOU ACREANO DE CORAÇÃO E VOCÊ OUÇA MAIS O HINO ACREANO, AÍ SABERÁ O SIGNIFICADO DAS PALAVRAS LUTA, SANGUE, SUOR, GUERRA, PAZ, MATAS, ORGULHO ! DA PRÓXIMA VEZ, PREGO, PONHA O SEU NOME VERDADEIRO, AFINAL, NÓS, POLICIAIS E BOMBEIROS HONESTOS E PACATOS NÃO TEMOS E NUNCA TEREMOS A INTENÇÃO DE PERSEGUIR NINGUÉM.
    EU SOU O CARLOS FONSECA - PM E BOMBEIRO. SOU TAMBÉM O CARLINHOS CARIOCA - COMUNICADOR DE RÁDIO
    TU JÁ DEVE TER O ESPÍRITO DE PORCO BEM VELHO E POR ISSO JAMAIS SERÁ BOMBEIRO OU PM HONESTO.

    ResponderExcluir

Evite palavrões. Dê seu apoio, faça a sua crítica, mas com respeito a todos.