quinta-feira, 5 de maio de 2011

Major Rocha chama coronel Anastácio de lambedor de botas do governo


Foto: Odair Leal (Agência Aleac).
 As declarações infelizes do comandante da PM, coronel José dos Reis Anastácio, a respeito do movimento dos militares gerou revolta entre os militares. Na manhã de hoje, dia 5, na Assembléia Legislativa do Acre (Aleac) o deputado Major Rocha (PSDB) refletiu o pensamento da tropa e chamou Anastácio de lambedor de botas do governo.
“O deputado capitão Assumção já havia chamado o ex-comandante como lambedor de botas, achei que isso também vale para o comandante atual”, afirmou Rocha.
Ainda de acordo com o deputado tucano, o comandante figura como um pai que deve cuidar de seus filhos, entretanto, o que se percebe, segundo ele, é um comandante agindo de acordo com os interesses do governo e em benefício próprio.
Essa manifestação é resultado das entrevistas desastrosas que o atual comandante da PM prestou nos últimos dias para a imprensa acriana. De acordo com uma delas, o coronel afirmou que a passeata de 4 de Maio era desnecessária e que não havia motivos para revolta.
De acordo com os militares o governo se negava a receber a categoria e acenou com um data para negociação apenas quando percebeu que as tropas da PM e do Corpo de Bombeiros poderia radicalizar. 

4 comentários:

  1. O comandante perdeu a oportunidade de ficar calado, mire-se no exemplo do comandante dos BM, meteu o rabinho entre às pernas.

    ResponderExcluir
  2. Nova maneira de fazer POLITICA6 de maio de 2011 10:34

    Não tenha dúvidas Coronel Anastácio que se o soldado mais moderno da PM/BM ganhasse 15% (quinze por cento) do seu salário atual todos os militares teriam sua mesma opinião classificariam esse movimento desnecessário e inoportuno, aliás, acredito nunca teria sido cogitado, mas infelizmente só ganham algo em torno de 9%. Ai ninguém é tão otário nem mesmo os militares que sempre foram e serão considerados a escoria da sociedade massas de manobra pelos políticos, principalmente os comandantes das tropas, pois esses sabem que se derem um dinheirinho a mais têm garantia de 100% que os fracos se derramam aos seus pés como forma de oprimir e segurar a tropa através de um regulamento disciplinar inconstitucional que estes usam de forma covarde. Mas, é bom lembrar que estes regulamentos já estão caducando e não segura mais nossas tropas cada dia mais esclarecidas e sabedoras do que querem.
    LIBERDADE AOS MILITARES!
    PRECISAMOS DE UMA LEI AUREA!
    URGENTE!
    PM TAMBÉM É GENTE!

    ResponderExcluir
  3. Reflexão sobre os meios de comunicação em CZS
    O “Juruá Noticias” um dos jornais de maior audiência no vale do Juruá até por ser praticamente o único não deu quase nenhuma importância ao ato público realizado pelos policiais e bombeiros militares estaduais no dia 4 de maio...CONTINUAR LENDO NO BLOG http://cidadaoinformado2.blogspot.com/2011/05/reflexao-sobre-os-meios-de-comunicacao.html

    ResponderExcluir
  4. Nova maneira de fazer POLITICA6 de maio de 2011 10:37

    Não tenha dúvidas Coronel Anastácio que se o soldado mais moderno da PM/BM ganhasse 15% (quinze por cento) do seu salário atual todos os militares teriam sua mesma opinião classificariam esse movimento desnecessário e inoportuno, aliás, acredito nunca teria sido cogitado, mas infelizmente só ganham algo em torno de 9%. Ai ninguém é tão otário nem mesmo os militares que sempre foram e serão considerados a escoria da sociedade massas de manobra pelos políticos, principalmente os comandantes das tropas, pois esses sabem que se derem um dinheirinho a mais têm garantia de 100% que os fracos se derramam aos seus pés como forma de oprimir e segurar a tropa através de um regulamento disciplinar inconstitucional que estes usam de forma covarde. Mas, é bom lembrar que estes regulamentos já estão caducando e não segura mais nossas tropas cada dia mais esclarecidas e sabedoras do que querem.
    LIBERDADE AOS MILITARES!
    PRECISAMOS DE UMA LEI AUREA!
    URGENTE!
    PM TAMBÉM É GENTE!

    ResponderExcluir

Evite palavrões. Dê seu apoio, faça a sua crítica, mas com respeito a todos.