sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Reflexões após desabafos: repercussão, novos fatos e manutenção do CB na Segurança Pública.


As matérias publicadas neste espaço envolvendo o CB nas últimas semanas geraram, dada a popularidade do Blog 4 de Maio, muita repercussão e movimentaram o dia-a-dia na corporação. Depois de resumido relato, ao fim também será apontado o reconhecimento as boas intenções extraídas de fala recente do Comandante-Geral.
Os conservadores, que não querem mudanças (e que quando querem é andando para ontem) dizem, arrotam, bravejam tudo o que não é atitude de militar. Promovem a “caça psicológica” para enquadrar o autor(a), autores(as) dos desabafos. Na verdade, arrochar a tropa para eliminar o BM (ou será um civil????) é mais fácil que parar de cometer ações erradas, desumanas, desrespeitosas, antiéticas, amorais, humilhantes etc. Afinal, é fácil arrochar uma tropa de menos de 350 homens na ativa em todo o Estado do Acre. Na PM, em que o efetivo também é pequeno, no último curso de formação no CIEPS foram formados mais soldados do que toda a tropa estadual do CB.
Daí virá alguém que vai comentar assim: “ta ruim? Pede pra sair. É a corporação que paga teu salário! Mal agradecido.” Ora, sem querer ofender, mas imagine sua esposa (marido), seu filho(a) e sua mãe (pai) trabalhando em 24 horas de serviço por 48 de folga. “Melhore” isso com 2 expedientes semanais com educação física, corte de árvore, mudanças, faxinas (inclusive as gerais). Também acresça as escalas-extras de prevenção em estádios, clubes (sindicatos e associações) de outras categorias trabalhistas (nós, militares, trabalhando gratuitamente no período que deveria ser a nossa minguada folga, para que outros possam se divertir, muitas vezes regado a álcool – nada contra).
Mesmo quando é pago banco de horas para prevenção em clubes privados há uso irregular do bombeiro militar. Por que não somos usados no banco de horas para compor as guarnições diárias de salvamento, incêndio ou cortes de árvores que realmente ofereçam risco de acidente (potencialmente danosas a patrimônio ou pessoas)? Mas antes definam qual é a jornada semanal do bombeiro militar. Na PM, segundo informações, são 42 horas semanais, definidas por uma Portaria do Comandante-Geral da PMAC (mesmo assim, ainda é muito acima do desejável.).
Na escala de 24 por 48, há semanas em que o militar trabalha 72 horas só no plantão regular. Some-se o tempo em que ele fica a disposição de um expediente. Some-se o tempo que gasta para ir de casa para o serviço e vice-versa, vária vezes na semana, para o serviço e expediente. E se ele for “agraciado” por uma escala-extra?? E quando há as convocações de emergência do período de transbordamento do rio (toda segunda folga no quartel!!!)???
O BM em banco de horas é, muitas vezes, visto como alguém que tem que ser aniquilado em trabalho. Quando o militar consegue ser escalado para o serviço extra-remunerado a visão é que tem que fazê-lo trabalhar por ele, todos e mais um pouco. Bombeiros Militares, sem ironias, leiam com atenção: GERALMENTE, O MILITAR EM BANCO DE HORAS É TÃO SURRADO PELA ESCALA DE SERVIÇO QUANTO A MAIORIA! Mas ainda assim, pela precariedade salarial em que estamos na segurança pública acriana, a maioria de nós somos voluntários para o tal banco de horas (o ideal seria a hora-extra!), mesmo tendo que, de vez em quando, roçar os arredores do quartel. E continuaremos a ser, mesmo que o número de vagas diárias para banco de horas continue a mal encher os dedos de uma mão... Tem quartel em que o militar passa meses para ser voluntariamente escalado para o banco de horas.
Além disso, quanto à proposta em estudo de que o CB migre para outra Secretária, bombeiro foi, é e será sempre SEGURANÇA PÚBLICA. Secretária de Saúde é para a saúde. Atividade de defesa civil se relaciona diretamente com segurança pública. Somente indiretamente com a saúde. Isso porque ações de prevenção causam bem-estar geral. Que o Governo que se iniciará no dia 1º de janeiro de 2011 não venha com essa proposta furada, cujo objetivo parece ser fragmentar os militares estaduais. Oras, muitas vezes o Governo já tentou dividir as instituições estaduais de segurança pública entre si (PM, CB, PC e AGEPEM). Agora, parece tentar novamente, de uma forma bem sutil, disfarçada de mega salto evolutivo. Os servidores da saúde merecem respeito, mas cada um no seu quadrado. Lá na Secretária de Saúde quem falaria por nós no Poder Legislativo? E no Executivo? Afinal, nos últimos pleitos eleitorais, com todas as dificuldades, ataques e contra-ataques sofridos a parte não Governamental da SEGURANÇA PÚBLICA elegeu um vereador e um deputado estadual. Atualmente, a Secretaria mais comentada e que precisa ser valorizada é a Segurança Pública. Vamos ficar onde estamos. Oremos pelo bom-senso do Governo e do Comandante-Geral (felizmente, o Coronel, segundo informações, prometeu à tropa do CB que irá discutir com todos sobre a proposta de migração feita pelo futuro Governador do Estado, inclusive com os militares da reserva.).
E a parte boa? De esperança? Bem, foi dito pelo Comandante-Geral do CB que para o ano que virá há todo um planejamento para a terceirização da faxina dos quartéis. Também foi dito que o banco de horas já foi uma vitória (verdade) e que há uma expectativa de ampliação do seu valor para o ano de 2011. Quanto ao aumento do efetivo através de concurso público, há anos escutamos que a qualquer hora sai o edital. Só quem ganha mesmo são os pré-concursos... Lotam as salas de aulas vendendo esse peixe. Mas tenhamos esperança no concurso público também: ano novo, promessas velhas, promessas novas. Oremos irmãos pela concretização de todas. Afinal, entre os anos de 1994 e 2007, portanto, quase 14 anos, nenhum soldado entrou no CBMAC.
A iniciativa do Comando em promover um curso de guarda-vidas também é ótima, desde que bem planejada e com formação de profissionais civis competentes. Os bombeiros deixariam de ir para prevenção em clubes privados (que usam bombeiros com ônus para o CB) e os civis guarda-vidas teriam renda ocupando essas vagas (seriam remunerados pelos clubes). O próprio militar, voluntariamente, poderia fazer um bico coordenando os guarda-vidas civis em balneários.

Proposta: Uma triagem interna poderia selecionar homens da SEMSUR para cortar árvores que não oferecessem grande risco à população. Os casos mais graves seriam por conta do CBMAC. Esses mesmos homens da SEMSUR poderiam ganhar um trocado extra cortando árvores para a população, fora do expediente na Secretaria, inclusive prestando serviços para as pessoas influentes que usam ou usaram bombeiros gratuitamente, através de amizade com alguns Oficiais.

6 comentários:

  1. SD BM Não babo-ovo24 de dezembro de 2010 09:40

    Essa da escala de serviço é antiga. Mesmo que hj lá no 1º BEPECIF a escala esteja em 24 por 72, durante esse ano, e nos outros, já percebemos que não há estabilidade na escala. Qualquer sopro do destino ela arrocha mais ainda. Seja por enchentes, incêndios florestais, doenças de militares, militares fora da escala frequentando cursos, agora com 2 quartéis sendo inaugurados entre outros fatores.
    Se esse comando-geral conseguir eliminar a faxina, ao invés de eliminar a saúde física e mental da tropa, será uma grande vitória do Bombeiro, digna de reconhecimento.
    Se ampliar o banco de horas para melhorar as escalas de serviço nas diversas unidades também será grande conquista. Lembremos que no 3º BEPECIF e lá nos irmãos do Aeroporto a escala está em 24 por 48. Lá em Brasiléia tb.

    ResponderExcluir
  2. muito lúcida a mensagem postada, haja vista o trato de grandes problemas infrentados hojhe pela nossa coorporação, ademais é esse esírito de indignação e perseverança que deve reinar en nossa inhstituição a fim de que sejamos valorizados como profissionais e sejam assegurados respeito e dignidade aos soldados do fogo. FELIZ NATAL A TODOS !!!

    ResponderExcluir
  3. A cada dia tenho mais certeza que o militarismo é um câncer na vida dos profissionais bombeiros e policiais!
    Os que comandam, se utilizam da mão de obra de pessoas CONCURSADAS, como se seus empregados pessoais fossem!!!
    Tá na hora de acabar com isso! Que coisa feia!

    ResponderExcluir
  4. Seria um grande absurdo essa proposta de Tião querer incorporar o CBMAC à SESACRE. Com autonomia a Corporação anda a passos de tartaruga prenha, já pensaram como um departamento de Secretaria? Vale lembrar a Tião e corja que Bombeiros Militares do Acre se tornaram independentes e, como tal, uma nova instituíção no estado após muitas lutas travadas no interior do quartéis PM e no meio político (até que um dia se desmembraram da PMAC para terem vida própria). Nós ficamos aqui na velha PMAC torcendo por dias melhores para esses co-irmãos, tão importantes no sistema de defesa civil e tão mal reconhecidos pelas autoridades deste estado. Seu efetivo sempre foi aquém da realidade acreana, equipamentos superados pelo tempo e avanço das tecnologias; praças discriminadas e desvalorizadas; ênfase exagerada no militarismo; descompromisso dos Cmts enquadradinhos que não conseguem convencer o governo de dar um foco maior ao CBMAC. Conhecemos o Cel Pires e pela sua postura não abrirá mãos da autonomia da instituíção que comanda. Espero que Major Rocha esteja lá dando seu apoio. BOMBEIROS AVANTES E VIDAS A SALVAR!

    ResponderExcluir
  5. Enquanto nao for definida a carga horaria semanal a ser cumprida na PM e no BM vamos continuar sendo fantoches nas maos dos "entendidos" de seguranca pública. Em uma portaria ou seria "porcaria" do cmt geral da PMAC ele apresenta umas cinco cargas horarias semanais e nela apresentam-se 39 horas/semana (h/s), 42 h/s, 44h/s, 53 h/s e PASMEM 62 h/s. Essa é a PADRONIZACAO que o CMT GERAM da PMAC nos proporcionou, QUE BELEZA. Espero que o CMT GERAL do CBMAC ou quem tiver competencia para tal seja mais competente e JUSTO para fazer algo que REALMENTE PADRONIZE A CARGA HORARIA SEMANAL NO CORPO DE BOMBEIROS!

    ResponderExcluir
  6. Meu nome é SD BM Abrahão, RG 120.395-0, Lotado na Seção Contra Incêndio. Há certas pessoas que questionam o anonimato desses artigos, mas fazem acusações também anônimas e de modo indireto, subliminar...
    Eu tenho um filho portador de necessidade especial (retardo no desenvolvimento físico e mental - CID F-72.1.). E uso meu direito de 20 horas semanais sem nenhum problema, baseado na Lei Complementar Estadual n.º 1.321/2001. Aliás, foi deferido pela Junta Médica do CBMAC.
    Se o comentário do anônimo feito no post do Direito de Resposta do SGT BM Camarão, em 24.12.2010, às 13h44min., tiver sido direcionado a este SD BM que assina o comentário em espeque, acusando de autoria dos artigos que contam "desabafos sobre o CBMAC", anoto o seguinte:
    SAIA DO ANONIMATO, por favor, e me denuncie pelo "crime militar" correspondente a positivação específica do RDCBMAC ou do Código Penal Militar.
    Mas se não puder (e certamente não vai) provar, prepara-te para as consequências jurídicas... Usarei principalmente o Código Penal Militar e as Leis de Indenização Civil por Danos Morais e Materiais a meu favor!
    Não me interessa quem tem dependente especial na família e não quer usar o benefício da Lei Complemntar n.º 1.321, eu uso. Tenho mais tempo para meu filho. O bombeiro é meu único emprego, ganho como soldado, não sou oficial nem subtenente ou sargento para pagar babá em tempo integral. Inclusive, acho que muitos integrantes de postos e graduações também não têm disponibilidade de tais recursos.
    Ademais, não sou casado, tenho a guarda judicial do meu filho e cuido dele sem ajuda da mãe biológica. Reitero, não faço bicos em outro local, nem tenho outra fonte de renda ou profissão alternativa para custear empregada doméstica em tempo integral, que esteja sempre à disposição para os muitos incovenientes e imprevistos familiares causados pela escala de serviço operacional e mesmo administrativa.
    À propósito, antes da concessão da minha escala especial de serviço pelo Comandante-Geral do CBMAC (na época, Coronel BM Henrique)a BM-2 esteve em minha casa para investigar a veracidade dos documentos médicos fornecidos!
    Finalmente, recentemente, prolatei as mesmas fundamentações acima encartadas ao Comandante do 1º BEPCIF.

    ResponderExcluir

Evite palavrões. Dê seu apoio, faça a sua crítica, mas com respeito a todos.