quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Um passo atrás


Governo pretende rever pauta da AcrePrevidencia e medidas podem afetar apenas futuros militares

Foto: Odair Leal da Agência Aleac
 Depois das fortes críticas lançadas pelo deputado Wherles Rocha (PSDB) na manhã de ontem na Assembléia Legislativa, o governo decidiu voltar atrás nas “sugestões” feitas pela AcrePrevidencia. Pelo menos foi o que garantiu o líder do governo, o deputado Moisés Diniz (PCdoB).
Rocha, depois de um discurso veemente, chegou a ameaçar greve geral e culpar o governo por essa medida. Entretanto, na manhã de hoje, dia 10, Diniz procurou conversar com o militar e afirmou que essas questões ainda estão em discussão, mas caso sejam levadas à concretude, as medidas não afetarão os militares que já estão na ativa. O parlamentar comunista disse ainda que antes que o projeto de lei seja enviado para a Aleac, conversará com as entidades representativas dos militares para debater. Diniz não descarta a participação do deputado tucano nas conversas.
“É sensato para o governo voltar atrás mesmo. Os militares já perderam muito em suas carreiras e hoje querem dar uma basta em tudo isso, em toda a falta de respeito, ninguém suportam mais esse tipo de coisa. Estarei por aqui vigiando”, afirmou Wherles Rocha.

Aumento salarial
O líder do governo, depois que teve contato com os dados salariais das Polícias Militares do Brasil no qual consta a PM acreana em 21º lugar no ranking de pior salário, resolveu pedir um tempo a mais para o início das negociações. De acordo com ele, o governo pretende iniciar as conversações em março, após o carnaval.
Para muitos militares, o carnaval é um forte elemento para pressionar o governo para atender as reivindicações da categoria. Contudo, a negociação deve se estender por um longo período e é provável que em junho aconteça uma definição oficial e o projeto seja enviado para Aleac.
Para o sargento BM Jusciner, presidente da Associação dos Praças do Corpo de Bombeiros do Acre (Aprabmac), é preciso que as entidades sejam informadas oficialmente sobre o inicio das negociações.
“Até o momento não fomos informados. Se o governo pretende começar a negociação em março é muito bom, mas temos que ter informações mais precisas e oficiais para levar em consideração” afirmou o bombeiro.   

De olho
Não é a primeira vez que o Governo do Estado tenta retirar direitos dos militares. No final de 2009, ao término dos trabalhos parlamentares na Aleac, foi enviado um projeto de lei às escondidas retirando os benefícios. Na oportunidade, o então deputado Nogueira Lima conversou com os militares presentes na seção sobre a tentativa e uma grande mobilização se formou em questão de minutos. A reação militar fez com que o governo retrocedesse e tirasse da votação o projeto de lei. Moises Diniz, naquele momento, afirmou que o projeto tinha sido enviado por engano, mas que já havia corrigido o erro.

13 comentários:

  1. É bom saber que o major Rocha está nos defendendo na assembléia. Mas acho que os clubes deveriam ser mais ativos nessa questão, se deixar o nosso deputado falando sozinho vai ser dificil. Clubes apareçam, porque a AME só quer saber do nosso dinheiro, não faz nada. Nunca fui com a cara daquele cara e agora eu sei exatamente por que.

    ResponderExcluir
  2. Major tome cuidado. O senhor esta mechendo com gente grande. Esse negocio de de pensao de governador pode dar pano pra manga. Desejo sucesso na sua vida.

    ResponderExcluir
  3. Major Rocha estamos aguardando sua vinda em Cruzeiro, o pessoal aqui deseja falar com o senhor e apresentar algumas propostas. Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Senhores, sou a favor da greve, acho que a gente deve partiir para cima desse pessoal. Chega desse lenga lenga, vamos mostrar pra esse povo do que somos capaz.

    ResponderExcluir
  5. Esse Moises de Diniz é uma peça mesmo. É um "morde e assopra", chamou o major de golpista e agora fica dando desculpas bestas. De olho nele major, o senhor está no meio de lobos.

    ResponderExcluir
  6. O senhor governador tem que seguir o exemplo do Dep. Marcio Bittar,temos é que fortalecer as polícias e não enfraquece-las.Somos nós quem garantimos o direito de ir e vir dos cidadãos nos privando muitas vezes dos nossos!Espero que o bom senso prevaleça para que os militares continuem desenvolvendo seus trabalhos com satisfação como temos feito até hoje.

    SGT DA PAZ.

    ResponderExcluir
  7. Cuidado com essa história de negociação após o carnaval, já que vai demorar tanto tempo para definir valores, inclusive com proposta a ser analisada no legislativo (piso de 3.200,00), iniciar as negociações agora é fundamental, pois segundo as próprias palavras do líder do governo, aumento real em nossos bolsos só no segundo semestre.

    ResponderExcluir
  8. Que deputado é esse Moisés Diniz? Que não sabe de fato a real situação salarial dos policiais de seu Estado. Ou o desinformado é Ele , ou está dando um de "João sem Braço".
    Há se honrasse o nome "Moisés" que pesa sobre Ele, pois como líder do governo na assembléia não age com sabedoria em sua peregrinação naquela Casa, ao contrário do "grande moisés" da bíblia, que soube conduzir de maneira hábil por quarenta anos no deserto o povo de Deus até chegar a terra prometida.
    Triste "moisés diniz"... Seu nome tem que ser escrito assim, de forma minúscula. Por não significar nada esse homem!

    ResponderExcluir
  9. Meu caro Deputado Rocha!
    A melhor mídia é ganhar as ruas!
    Na TV e no rádio vc vai passar pela censura do governo petista! Ou seja, só aprece o que eles desejam!
    Faça o seguinte: pegue um microfone, uma caixa de som e uma tenda de sol e ponha tudo isso em frente ao QCG! Lá vc deve dar satisfação aos policiais/bombeiros e à população sobre o resultado das conversas com o governo!
    As pessoas estão tendo a impressão q vc está parado demais, apesar de sabermos do controle da mídia!
    FAÇA A SUA MÍDIA NAS RUAS!
    VÁ PRA FRENTE DO QCG COM UM MICROFONE!
    FOI ASSIM QUE OS petistas CHEGARAM AO PODER!!!
    GARANTO QUE GENTE PRA OUVIR NÃO VAI FALTAR!!!

    ResponderExcluir
  10. Capitão Morrimento 201111 de fevereiro de 2011 07:29

    Mais tempo ?!
    Cacete, desde 1986 eu espero por melhores condições !
    Conseguiram até mesmo destruir, detonar, acabar, mandar para o espaço, um BANCO DO ESTADO. (BANACRE)
    Faltam 3 anos e 10 meses para o próximo governo: É este o tempo que será preciso ?!
    Mesmo em 4 de Maio de 2009, nada se conquistou, aliás conquistamos sim, um DEPUTADO DE VERDADE.
    As outras AMEBAS nada fizeram por nós.
    FAÇAM O QUE DEVE SER FEITO !

    ResponderExcluir
  11. Apesar de não concordar com essa estória de começar a negociação só em março, (por que no carnaval seria uma chance de ouro) confio plenamente no major, ele mostrou que se esforça pela causa militar,e quase todo o efetivo o apoiará em futura paralização.

    ResponderExcluir
  12. Estamos deixando o governo nos enganar mais uma vez. Começa o ano vem a ameaça, deixamos pra depois do carnaval ai fica pra junho depois setembro, quando passar o natal ai já estamos em novo ano.
    Quando é pra aprovar o aumento dos parlamentares começa as 17:00hs e as 17:01 já está sancionado. Porque o salário do guarda não pode ser assim?
    Precisamos de aumento urgente desde o ano de 2009 e ate hoje todos que tentam negociar saem dominado pelo governo. Alguém tem que usar a massa de manobra pra conseguir uma vitória? Que assim seja. Não podemos deixar uma meia dúzia de pessoas, dominar tudo e todos. Temos regras... Mais também temos honra.

    ResponderExcluir
  13. Se precionar o governo abre. Só faz alguma coisa se for na pressão. Dependendo do arrocho que os guardas fizerem ai o bicho pega. Do contrário continuaremos esperando pela PEC300, impedida pelo próprio PT através do VAGAREZZA, e entra ano e sai ano e estamos ferrados. A educação já vai para o terceiro aumento e a PM nada só na base da enrrolação. Assim não adianta nada tudo permanece do jeitinho que o Governador quer e gosta. Mudamos ou...

    ResponderExcluir

Evite palavrões. Dê seu apoio, faça a sua crítica, mas com respeito a todos.