terça-feira, 9 de outubro de 2012

Precisamos reavaliar nossos pensamentos políticos dentro dos quarteis



As eleições de 2012, para os candidatos a vereador em Rio Branco, foi uma das piores de nossa pequena história nas veredas da política representativa. Dos 14 candidatos, nenhum se elegeu e o que chegou mais perto não fez campanha dentro dos quarteis de forma intensiva, muito menos se apresentava como candidato dos militares. Mas o que fez com que tivéssemos um resultado tão desastroso? Meu objetivo nesse texto é discutir as estratégias de cada candidato militar e, por fim, ressaltar de que maneira o atual governo petista se aproveitou da situação dentro dos quarteis para manterem militares afastados de cargos eletivos na capital.

Os grandes centros sempre são tratados com mais cuidado pelos grupos hegemônicos estejam eles situados dentro de uma perspectiva local o global. Assim como São Paulo faz uma grande influência sobre os demais estados do país, Rio Branco (AC) faz influência sobre os demais municípios, na prática, estes não são dotados de força política para irromper movimentos sindicais. É na capital que estão situados os centros administrativos do Estado, por isso as presidências sindicais e de associações estão situados também na capital e marcam apenas presença nos demais municípios para que ações reivindicatórias ganhem força estadual. Faço essa reflexão, inicialmente, para afirmar que o Governo do Estado, que tem a frente o Partido dos Trabalhadores (PT), tem seus olhos abertos para Rio Branco e por isso montou uma estratégia infalível usando uma estratégia militar.

“Estrategistas militares como Sun Tzu, Aníbal, Maquiavel, Stálin e Hitler ensinaram – ou demonstraram – que um caminho certo para a vitória é a divisão do seu oponente. A traição, o conflito e a desconfiança devem ser fomentados no seio do inimigo, a fim de enfraquecer suas estruturas, minar suas resistências e diluir sua força em unidades mais facilmente controláveis” (Ordem Natural, 2012).

De que maneira o governador Sebastião Viana fez isso? Acompanhamos durante algum tempo pessoas ligadas aos candidatos militares e suas estratégias eleitorais. Dos principais candidatos nos ocuparemos de realizar nossa reflexão.

Sargento De França (PPL)

Um militar que tem uma história dentro da PM e da Cooperativa de Crédito e que usou a estratégia: “não pode com eles se junte a eles”. A intenção de De França era “bonita”, mas ele esqueceu de que não é de interesse dos militares se juntar àqueles que prenderam e tentaram humilhar quase mil policiais militares que participaram da manifestação nos dias 13 e 14 de maio de 2011. Dentro da Caserna, muitos policiais afirmavam que não votariam em candidatos da Frente Popular e assim o fizeram.

O apoio verbal da cooperativa de crédito (Credmac) não surtiu o mesmo efeito do plebiscito da AME/AC. A questão não era elegê-lo.

O apoio de militares bombeiros ligados ao PCdoB e da associação das praças Corpo de Bombeiros também não surtiu efeito. A questão não era elegê-lo.

O Batalhão de Operações Especiais (BOPE) rachou ao meio. Os policiais que fecharam em quase 100% nas eleições da AME, parte votaram em De França e parte no coronel Vasconcelos. A questão não era elegê-lo.

A Associação dos Militares (AME/AC) que realizou eleições internas para escolha do candidato pouco pode fazer já que estava sendo vigiada pelo governo e por membros da oposição para que não houvesse uso de materiais da entidade em benefício do De França, o que poderia configurar crime eleitoral e multa para a AME e para o candidato. A questão não era elegê-lo.

De França foi uma vítima das estratégias que escolheu. Desceu na balsa, mas não desceu de qualquer jeito, desceu de preto, desceu de “caveira”.

Rosa Maria (PCdoB)

A sargento Rosa Maria se empolgou com a enquete realizada pelo Blog 4 de Maio na qual a indicava como comandante geral com uma grande vantagem sobre o segundo colocado. Carismática e sem papas na língua, ela apostou alto nessas eleições. Em todas as rotatórias se via Rosa sorrindo em banner’s. Ela é fruto de uma estratégia do PCdoB de fragmentar os votos de De França e demais candidatos e chegou a ser apontada como uma das grandes favoritas para assumir uma cadeira na Câmara Municipal. Puro engano.

A candidata correu diversos bairros, gastou muito dinheiro, conversou com diversos militares que lhe renderam 700 votos.

Um das coisas que ficaram evidentes em Rosa foi ter assumido a raiva dos comunistas por Major Rocha (PSDB) que lhe ajudou no momento que ela mais precisou. Em sua campanha, ela criticava o deputado e pouco entendia as estratégias da Frente Popular sobre ela.

Coronel Juvenal (PP)


Depois de realizar um bom trabalho na área da baixada, Juvenal entendeu que poderia disputar as eleições 2012. Recebeu o convite de Fernando Melo para ser candidato a vice-prefeito, mas acabou recusando. Saiu candidato a vereador. Recebeu a votação mais expressiva entre os militares, mais de 1.000 votos. Ele não fez campanha dentro dos quarteis.

Subtenente Veríssimo Antrobos (PSDB)

Não quis participar das eleições da AME e saiu “por conta”. Não teve votação expressiva, ficou em terceiro lugar entre os militares.

Sargento Vieira (PPS)

Depois de abandonar os militares e se recusar a participar ativamente dos movimentos reivindicatórios da categoria, Vieira teve que se debandar para o lado do Governo, embora seu partido seja de oposição. Conversou com o governador Sebastião Viana por diversas vezes, não para pedir alguma coisa para policiais e bombeiros, mas si próprio. Teve uma votação inexpressiva.

O que podemos aprender do resultado

É muito difícil que a estratégia do governo seja retirada do seio da tropa de uma hora para outra. Oficiais e praças são induzidos a realizar a divisão. Quem ainda não ouviu: “não recebemos nada por causa do Major Rocha”, ou ainda: “o Major só sabe bater no governo, como é que vamos conseguir alguma coisa?”. A estratégia para dividir, para dominar, derrotar e acabar com o inimigo está funcionando e os próprios candidatos, se quer, entenderam isso.

Ontem ouvi o seguinte: “Somando os votos de todos os candidatos militares daria para eleger dois vereadores”. Bom se fosse simples assim. Não parece estrando que o governo tenha abençoado três candidatos militares em Rio Branco? Se ele quisesse eleger não teria focado somente em um e chamado os demais para trabalharem juntos? O objetivo não era elegê-los. Ninguém cria serpentes para serem mordidos nos próprios pés.

Vamos encerrar. Qual o objetivo principal da estratégia? Enfraquecer a política dentro dos quarteis, acabar com a possibilidade de movimentos reivindicatórios, deixar os militares sem lideranças nas esferas representativas e, sobretudo, minar a possibilidade de o deputado Major Rocha se reeleger em 2014. O alvo nunca foram os candidatos a vereador, eles são apenas meio, o fim se encontra na esfera estadual.

Deus nos salve de nossos opressores.

21 comentários:

  1. Concordo plenamente com o que foi aqui escrito, vamos apanhar muito para aprender o que é "unidade", daqui quatro anos infelizmente deve acontecer tudo de novo, sai um batalhão de candidatos e ninguem ganha a eleição. O objetivo do PT é nos enfraquecer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com vc em partes, só não admito aqui alguém falar mal do sargento Vieira, vocês nem imaginam quantos projetos Leis o Vieira botou em fotação, é claro que um vereador não pode fazer nada pela pm, pois somos estaduais, mais uma coisa eu garanto pela população de RIO BRANCO ele fez e, fez muito, o problema é que vocês sem saber das coisas pasam a criticar, outra coisa o VIEIRA não se vendeu ao PT não, se ele tivesse se vendido teria saido pela frente popular, pesquisem pra poder criticarem.SGT CLODOMIR

      Excluir
    2. Como é que é Clodomir? O Vieira é um vendido e ele acaba de provar isso, está apoiando o PT na capital. Você deveria conhecer melhor o seu candidato.

      Excluir
  2. Já ouvi frases semelhantes sobre o Major Rocha vinda da boca do Maj Almir.

    "O Maj Rocha só vai conseguir ajudar ele mesmo"

    ResponderExcluir
  3. Realístico artigo, mas a verdade verdadeira é que nenhum desses candidato estava pensando nos militares e sim em si próprios. Senão vejamos, um se "junta ao governo", o outro subiu nas tamancas para "quebrar" votos, o outro pelo bom trabalho achou que se elegeria e aí, ou melhor, nem aí, não fez campanha nos quarteis, e assim foram... candidato "por conta", candidato traíra, no final...balsa para todos, e nós, os MILITARES, e quem perdemos. UNIDADE gente essa é a palavra. Um SÓ CANDIDATO, para realmente arrastar voto e se eleger, e lutar em nosso favor.

    ResponderExcluir
  4. Só gostaria de acrescentar que, se o Major não fizer nada para reverter essa situação, infelizmente o que o governo quer vai conseguir, que é não elege-lo, mais ainda há tempo, pois, sabemos que o principal responsável por essa mudança é o próprio Major.

    ResponderExcluir
  5. Temos que isoladamente conversar com alguns companheiros da importância que é polícia votar em polícia! Esse é o começo! Em seguida conversar com os companheiros que saíram candidatos, de que não adianta querer se candidatar por fora do plebiscito, pois se assim o fizer terão sim alguns votos, mas não o suficiente para se elegerem, por isso para que gastarem dinheiro em campanhas que jamais conseguiram serem eleitos? Outro fato importantíssimo nas campanhas para o plebiscito, digam qual partido saíram candidatos.

    ResponderExcluir
  6. Concordo plenamente.E essa mudança,só depende de nós!!!

    ResponderExcluir
  7. Tai o que DEU!!! Nao houve o plesbicito? Porque não votaram somente em quem ganhou o plesbicito? É uma vergonha, depois do presbicito apareceu vários candidatos. Desse jeito querem o que? Vão criar vergonha na cara. Desse jeito é que querem representar a PM? Vao criar vergonha!!!

    ResponderExcluir
  8. o problema é a AME!! muita gente la quer apenas se fazer politicamente!! detalhe!! tem um bom candidato vindo ai!! ninguem percebe mas, com ele nosso contracheque teve um aumento de 31 % e agora ele em suas reuniões está conseguindo o risco de vida!! o que elevará o salario do padrao um pra quaze 3000 reais, beirando o valor da pec 300!! quem se sacrifica pela massa, a massa tambem se sacrificará por ele!! quanto ao major, foi eleito para ser oposição, e devemos a ele a situação que a frente popular passa hoje, sua maneira de fazer oposição fez com que a situação se fragilizasse, ao ponto de que nem mesmo com a máquina na mão esta conseguindo superar os votos validos da oposição!!
    parabens major rocha!! e AME lembre que vc representa uma classe, e quem representa classe nao pode bater de frente com o governo!!! pois assim vcs queimam a classe e ao invéz de ajudar acaba atrapalhando!!

    ResponderExcluir
  9. Guerreiro do 5º BPM9 de outubro de 2012 17:48

    Todo PM que entende um pouco de política já sabia que nenhum candidato militar seria eleito; rachou, lascou. A AME colaborou para isso acontecer; pois apoiou um candidato que não foi eleito no Plebiscito (Veríssimo), erro para a Associação. Outra coisa, como o governo não gosta de PM; o candidato deve ser obrigatoriamente da oposição. Por fim, além da Rosa, não vi nenhum outro candidato PM pedindo voto por aí, como fez a vereadora eleita, Rosilene da bicicleta; esperaram sentados, acabaram dormindo.

    ResponderExcluir
  10. Concordo, pq não respeitaram o plebiscito, EU VOTEI NO DE FRANÇA, mas teria votado, no MAJOR JUVENAL, na ROSA, no VERÍSSIMO ou em quem tivesse ganho a "seleção" interna. Acho que a crítica tb se estende ao MAJ ROCHA, ele foi um que apoiou um candidato por fora (ST VERÍSSIMO) ele tb colaborou para dividir e deu no que deu, a culpa é nossa. Vamos melhorar, que venha a próxima eleição e apesar de não estar satisfeita com a atuação do MAJ Rocha, se ele ganhar o plebiscito eu voto nele e pronto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. parabéns pela sua fidelidade pena que a AME não é tão fiel como você imagina.

      Excluir
  11. A matemática é bem clara quanto ao que ocorreu nessa eleição, quanto mais dividir, menor ficará o resultado, foi o que aconteceu. O PT conseguiu o que queria.

    ResponderExcluir
  12. pq quem ganhou o plebiscito não atendia aos interesses da tropa.

    ResponderExcluir
  13. no próximo plebiscito, vamos primeiro discutir se aceitamos candidatos que saiam pela frente popular ou apenas pela oposição. só então vamos escolher quem será o candidato.

    ResponderExcluir
  14. Senhores, estou aqui para também oferecer minha humilde opinião sobre o assunto.
    O texto discorreu sobre estratégia, divisão, candidatos, governo, polícia, etc...
    Mas alguém pode me responder SINCERAMENTE pra quê serve um vereador eleito pela PM/BM???
    Vou melhorar a pergunta: no cotidiano da PM/BM qual/quais o(s) ganho(s) político(s) de se eleger um vereador, haja vista que somos insituição ESTADUAL?
    Alguns responderão:
    - Demonstrar organização!
    - Demonstrar força!
    - Demonstrar que "sim, nós podemos!" - desculpem o trocadilho...
    - Quando elegemos um candidato PM/BM, impedimos que a FP eleja um candidato seu!
    Concordo com o autor do texto ao analisar individualmente os candidatos: França se juntou aos opressores; Rosa, idem; Cel Papagaio, ibdem; Veríssimo não gozava sequer da simpatia dos eleitores PM/BM; Juvenal com a cabeça nos céus; Vieira, nem pensar!
    Temos que tirar lições disso tudo. E a primeira, delas, em minha opinião é que não necessitamos de vereador. Precisamos de DEPUTADO ESTADUAL E FEDERAL.
    Mas não pode ser qualquer peça rara não. Tem quer história boa. Tem que ser humilde e justo caso o candidato seja oficial PM/BM. Tem que ser honesto.
    Essas características fizeram o Major Rocha ser eleito e esquecermos N. Lima e Roberto Filho, graças a Deus.
    E ele SEMPRE contará com meu voto enquanto cultivar esses valores.
    É balela esse negócio de que o Major Rocha "atrapalha" na relação PM/BM governo! É discurso pra destruir a única ROCHA que nos serve de escudo! Sem ele estaríamos PIOR do que estamos.
    Vejam a dor de cabeça que esse homem dá ao governo!
    Se querem eleger um vereador, usem o PLEBISCITO!
    Funcionou pra eleger aquela vergonha política que foi o Vieira. Mas os candidatos tem que ser escolhidos e não impostos, afinal, estamos em um quartel lugar em que a Democracia ainda é um bebê que pode morrer de pneumonia, sem cuidados e proteção...

    ResponderExcluir
  15. A PMAC nestas eleições municipais foi quem mais perdeu. Perdeu um vereador, que certo ponto virou as costas para os que lhe premiaram com o mandato. A AME-AC demonstrou perder forças perante a tropa e pecou ao não tentar persuardir os candidatos ao "plebiscito". Foram 11 candidatos, a maioria, pensando só em sí e no seu "grupinho".Os que faziam parte da situação, no caso ROSA e DE FRANÇA sabiam da rejeição da frente dentro dos quartéis. É hora de rever o papel da Associação nesse processo ou, por outro lado, abandonar esse processo de escolha de nosso representante. Acredito que o Major Rocha perdeu uma grande oportunidade de colocar em prática sua força, sua liderança, no seio da família dos militares estaduais. Deveria ter chamado todos e tentado um consenso para candidatura única dos que eram oposição. É LAMENTÁVEL UMA INSTITUÍÇÃO COMO A NOSSA NÃO TER ATINGIDO UM AMADURECIMENTO CAPAZ DE TER CONSENSO E LANÇAR 2 OU 3 CANDIDATOS, POSSIBILITANDO ELEGÊ-LOS. É HORA DE REPENSAR NOSSA POSTURA! SUGESTÃO QUE NAS PRÓXIMAS, SE A AME, AINDA, INTERMEDIAR A ESCOLHA, QUE O PRETENDENTE ESCOLHA ANTECIPADAMENTE O PARTIDO QUE SE CANDIDATARÁ.

    ResponderExcluir
  16. Na realidade, o que acontece meu grande Cap. Mario, é que poucas pessoas (policiais) estão preocupados com a instituição, e sim, com o seu próprio bem estar, e é porisso que ainda vai demorar um bom tempo para que nós possamos alcançar uma união sólida e concreta. No dia que aparecer um candidato que vista de fato a nossa camisa,aí sim, a coisa vai ser diferente.

    VAMOS MUDAR ESSA MENTALIDADE SENHORES POLICIAIS!!!

    ResponderExcluir
  17. tenho vergonha na cara por isso não voto em ninguem que saia pela FRENTE ANTI POPULAR,fiquei triste ví varios ppmm,com adesivos do pt,antigão e novinho também,fico imaginando como pode vc ser chingado de ser tratado como o pior servidor,perseguido e ainda votar nos cara,rapaz vergonha na cara não é para todo mundo,se o DE FRANÇA tivesse saido pela oposição seria hoje vereador,mas serviu para analizarmos que ,temos que olhar para quem são os judas dendro da corporação

    ResponderExcluir
  18. Tambem acho.Temos que ser dignos e ter respeito próprio.Fomos taxados de baderneiros e depois,ainda ter pm com coragem de colocar adesivo do pt no peito,é muita falta de respeito próprio!É por esses e outros motivos que a equipe do governo faz o que quer com a pm.Todo castigo pra puxa saco é pouco!!!

    VAMOS HONRAR NOSSA DIGNIDADE.

    ResponderExcluir

Evite palavrões. Dê seu apoio, faça a sua crítica, mas com respeito a todos.