sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Sobre o risco de vida

Alguns militares ainda desconhecem pauta de negociações com o governo

 
Um chuva de comentários tem atacado o blog 4 de Maio nos últimos dias. Os militares desejam saber sobre o aumento do risco de vida e demonstram um desconhecimento sobre as pautas de negociação da categoria. Tentaremos esclarecer algumas coisas.
Três pontos serviram para parar por algum tempo o pedido de isonomia do risco de vida. Primeiro: Ele pode ser resolvido através de uma lei estadual e o deputado major Rocha ainda não iniciou suas atividades. Não é do interesse do governo enviar tal projeto de lei e a equipe não tinha nenhum deputado em vista. 
Segundo: Poderia ser solucionado através da justiça, mas os advogados que a equipe tinha eram os da Associação dos Militares Estaduais do Acre (AME/AC), que fizeram corpo mole para entrar com a ação. Diante da negativa de aumento salarial dada por Tião Viana em Cruzeiro do Sul, foi sugerido que fossem produzidos cartazes em forma de protesto, mas acreditamos que isso seria uma divisão do movimento devido a este próximo ponto.
Terceiro: Dentro da nova pauta de reivindicações da categoria existe a perspectiva de que o salário dos militares seja dado em parcela única, o que quer dizer que aquilo que era gratificação será agora um salário único. Vou me deter um pouco mais nesse ponto por achar que os dois primeiros estejam claros.
Muitos militares têm criticado as pautas dos clubes e entidades do Corpo de Bombeiros porque não incluíram o risco de vida. Outros ainda desconhecem.  A crítica é um pensamento justo, mas equivocado. Quando a equipe sugere o pagamento do salário em parcela única, quer dizer que todas as gratificações serão inseridas no soldo. Isso nos possibilita em um outra oportunidade de negociação fazer com que o aumento salarial seja dado no total bruto e não no soldo que chega a ser cerca de 35% a 40% do salário.  Para cada gratificação existe uma lei regulamentando. Imaginemos então ter que mexer em todas elas, mesmo que não em sequência para termos os salários majorados. Temos dificuldades de aprovar uma, imaginemos várias. Devemos lembrar também que a atual forma de pagamento da PM e BM é inconstitucional.
O que não devemos esquecer é que lutamos por um piso de R$ 3.200, a isonomia do risco de vida traria, para o soldado, um aumento de cerca de R$ 600, e o valor iria diminuído conforme a graduação ou posto.  O soldado ganharia mais ou menos R$ 2.400. No tocante ao piso é o inverso, o valor aumentará substancialmente para todos e terá como base também a hierarquia. Assim, as entidades entenderam que era melhor levar apenas uma reivindicação ou invés de duas, o governo ficaria com a que fosse mais cômoda para ele, alguém divida?

O medo

Um militar me parou no centro da cidade de Rio Branco, na manhã de ontem, dia 28, e indagou tanto sobre o risco de vida quanto sobre o piso salarial. O medo do militar é que se o salarial for dado em parcela única, ou melhor, forem eliminadas as gratificações e os militares passarem a receber um soldo no valor de 3.200, as pensões que paga iriam, segundo meu interlocutor, “acabar com ele”.
O soldado conseguiu ao longo de seus quase nove anos de serviço fazer o que a Bíblia pede: "Crescei e multiplicai-vos". As pensões que paga foram estipuladas com base em uma porcentagem do soldo, não incluindo qualquer gratificação. Ele afirmou que em todas as audiências, a determinação da justiça foi essa. Sendo o salário total 3.200, suas pensões seriam majoradas e pouco restaria para o militar sobreviver. É interessante o debate, porque, de acordo com os números não oficiais da PM, cerca de 80% dos militares pagam pensão.
Estamos abertos ao debate, aqueles que desejarem contribuir é só comentar o texto.

12 comentários:

  1. Meu caro amigo da farda,quero que saiba que naum concondo com sua afirmação,pois naum podemos ser punidos por causa de alguns que me desculpe,mas se posse assim o coronel naum teria que ganhar o que ganha por causa da pensão que paga,e todos que pagão pensão a mesma coisa ninguem poderia ganhar muito,alias gratificação naum e salario,se o governo quiser tirar,tira mesmo e ai como fica,pense melhor seobre esse assunto,pois um salario unico como estão querendo fazer."3,200"e melhor pra todos ppois todos os aumentos vão ser sobre ele...valeu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corretíssimo! Lei é lei. Acho os valores de pensão exagerados e acho que isso deveria ser revisto até mesmo pq hoje em dia as mulheres tem quase as mesmas condições de trabalho que os homens, mas dois erros não fazem um acerto. O salário base deveria subir sim pois como vários já afirmaram aqui todo aumento e adicionais são em cima dele, não se pode prejudicar uma categoria inteira por picuínha. Não sou militar, sou professor, educo adolescentes muitas vezes sem estrutura familiar, sem educação mesmo, sem uma bagagem de estudos. Também corro riscos, vocês sabem muito bem que os professores sofrem muita violência, seja em escolas públicas ou particulares e o nosso trabalho é mais importante que o de vocês. Quem me dera o professor tivesse um salário base de 3200 reais! Ia ter até festa! Não percam essa oportunidade de ter um salário/soldo mais justo.

      Excluir
  2. Bem, companheiros...
    Depois de ler as "explicações" que "justificam" deixar de lado "temporariamente" a questão do risco de vida só digo o seguinte: lamentável!
    Esta é a hora de nós consertarmos uma série de coisas que estão equivocadas e ultrapassadas, dentre elas a composição do nosso pagamento que NA VERDADE É O SOLDO e que atualmente JÁ É MENOR QUE UM SALÁRIO MÍNIMO!!!
    A polícia militar do Paraná, por exemplo, EXTINGUIU O SOLDO e criou um sistema de remuneração baseado nos vencimentos dos promotores de justiça, assim quando os promotores são majorados os PMs vão junto!
    Isso é enxergar lá na frente!!!
    Agora que me desculpem aqueles que pagam pensão... Mas não podemos pensar em UM indivíduo e sim, na coletividade!
    Tá querendo usar a cabeça hoje em dia quando deveria tê-la utilizado no passado ANTES DE FAZER UM MONTE DE MENINOS!!!
    O risco de vida é importantíssimo TAMBÉM!
    Ele é a prova viva e inconteste de que a própria PM não valoriza a vida dos subalternos no momento em que dá valores diferentes para algo INESTIMÁVEL: a vida humana!
    Não importa se vc é coronel ou soldado: sua vida é inestimável, mas a pmac, VERGONHOSAMENTE(!) decidiu que oficiais valem mais que praças!
    Vou acorrer à Justiça e exigir a EQUIPARAÇÃO, OS RETROATIVOS E AINDA UMA INDENIZAÇÃO POR DISCRIMINAÇÃO A SER COBRADO DO ESTADO que permitiu tamanha bestialidade!
    Alguém aí duvida que eu não vou ganhar essa???
    Abraço a todos!

    ResponderExcluir
  3. Concordo com o(a) Segura!
    A miopia conjuntural dos "negociadores" pode nos levar às mesmas situações que vivemos hoje num futuro bem próximo!
    Se é pra consertar, vamos fazer corretamente!
    A polícia do Paraná deu o exemplo! Agora se a gente chegar lá com cara de coitadinho... estamos lascados!
    Temos que chegar na mesa de negociação com cara de quem está com fome e disposto a matar pra comer!!!

    ResponderExcluir
  4. Soldado da Universal29 de janeiro de 2011 11:53

    O risco de vida foi é sem dúvida muito importante se quisermos continuar com as velhas propostas, não digo que não seja importante, entenda.
    Entendo também a comissão em levar uma proposta que seja bem melhor como é o caso do piso de 3.200. Discutir o risco de vida nesse momento não é "pensar pra frente", é continuar na mesma, a quanto tempo temos discutido isso e tudo nao saiu de simples desejo? Segura a Peteca, se eu tivesse que escolher entre os 3.200 e os 600 a mais que ganharia com a isonomia do risco de vida, eu ficaria com o piso. Lembre que a Polícia Civil está pedindo 3.220. Peça pouco que terás menos ainda em uma negociação. Peça muito que será possivel que tenha algo razoável, foram assim que funcionaram as últimas negociações, não sei se vc participou de alguma. Entretanto concordo com você de que devemos nos espelhar em estados como Paraná, Sergipe. Devemos ter a mesma mobilização e força e pesar que viver no Acre é muito caro e nosso salário não é compativel com nosso trabalho e nossos custos.
    Segura a Peteca, apesar de teres cometários bastantes interessantes, nesse acho que você não escreveu muito bem. Um abraço velho amigo.

    ResponderExcluir
  5. Soldado da Universal29 de janeiro de 2011 12:03

    Outra coisa que deveríamos negociar é a questão dos atuais 3º SGTs que não tem mais perspectiva para promoções.
    Em 2006, no ápice da negociação do Estatuto PM/BM, nossos representantes pensaram apenas no imediato. Assim vários foram promovidos com toda a justiça possivel, mas a grande maioria hoje se encontra sem ter ideia do dia em que colocarão mais uma divisa.
    Se interessar a equipe, seria muito importante que colocasse esse ponto na conversa, seria uma maneira de valorizar os militares. Muitos amigos estão se aposentando como 3ºSGT com medo de perderem o posto a mais e por não ter condições de promoção no atual quadro do efetivo da PM/BM. É uma sacanagem tremenda. O melhor seria uma promoção compulsória, venceu o intertício, é promovido, o governo que se vire para recompor o quadro, pois se hoje tem mais sargento que soldado, é culpa deles mesmo que passam oito e dez anos para realizarem um concurso. Não podemos pagar pelo erro alheio, mas é o que está acontecendo. Devemos lutar pela promoção que respeito o militar.

    ResponderExcluir
  6. concordo plenamente com o soldado da Universal, se por descaso ou imcompetência de governos não fizeram concursos muito menos cursos para sargentos a culpa não é nossa, devemos fincar o pé por aumento salarial e por promoção no tempo do intertício.OBS. quem fez matheus que embale, quem fez zilhões de filhos agora sustente.

    ResponderExcluir
  7. Grande Soldado Universal,
    Há um equívoco em sua interpretação, grande amigo!
    Não sou contra o piso de 3.200,00 de jeito nenhum!
    Mas como vc mesmo disse, a coisa não anda quando se trata de melhorar pros pracinhas...
    A equiparação do risco de vida não é simplesmente dinheiro: é o reconhecimento de que a pm é discriminadora e serve a poucos!
    Duvide-o-dó se essa fosse uma luta do oficialato se já não houve conquistas!
    A miopia (cultural, educacional e situacional) é o nosso grande inimigo!
    Pra quê soldo? Vamos nos modernizar! Vamos dizer nós mesmos o que é bom pra nossa categoria!
    Não vamos esperar que o governo nos ofereça migalhas! Pq é isso que teremos deles!
    Ou consertamos tudo AGORA ou daqui a 10 anos vamos estar na mesma peleja...
    Um abaraço, companheiro!

    ResponderExcluir
  8. Precisamos lutar efetivamente, para que todos que completarem seus interstícios sejam promovidos, independentemente de vagas, e não ficar choramingando, e lutando uns contra os outros. P****!!! Esse Pau na Muleira se acha. Você é *****. (Comentário moderado por causa de palavrões).

    ResponderExcluir
  9. Esses, "alguns policiais", têm que fazer cirurgia de VASECTOMIA, e parar de sair aí fazendo filho em tudo que é mulher, caso ainda queiram ficar com seus "rolos" com a mulherada! Pagamento por subsídio é a melhor forma, pois já vários Estados que já adotaram esse procedimento de pagamento. Concordo com o Soldado da Universal é melhor receber R$ 3.200,00 do que ter um aumento de R$ 600,00 (ficando em torno de R$ 2.400,00 o salário para SD/PM)

    ResponderExcluir
  10. promoção sem vaga essa é boa pra toda pm....

    ResponderExcluir
  11. parabens para todos militares e paramilitares porque agora temos lei federal que nos garante 30% a titulo de risco devida sobre salario

    ResponderExcluir

Evite palavrões. Dê seu apoio, faça a sua crítica, mas com respeito a todos.