quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Novo governo e velhas práticas: Mais uma perseguição

Justiça manda oficiais da PM desocuparem casas da Vila Militar
A juíza da 1ª Vara da Fazenda Púbica, da Comarca de Rio Branco, Maria Penha Sousa Nascimento, acatou pedido de manutenção de posse feito pelo estado contra oito oficiais da Policia Militar que ocupam casas na Vila Militar da PM, localizada na Rua Rio Grande do Sul, área conhecida como “Ladeira do Bola Preta”.
Na ação assinada pelo procurado do estado Luciano José Trindade, o governo estadual requereu a desocupação de oito unidades habitacionais da Vila Militar, onde alguns imóveis são ocupados pelos oficiais há mais de trinta anos.
No dia 29 de dezembro do ano passado, a magistrada julgou procedente a ação e ainda condenou os militares ao pagamento de R$ 1.000,00. A partir da publicação no Diário da Justiça, os oficiais terão quinze dias para desocupar as casas ou recorrem da decisão. Caso não contestem judicialmente o resultado do processo, os militares correm o risco de serem despejados.
No despacho emitido antes da virada do ano, a magistrada assim se manifestou: “julgo procedente o pedido, reintegrado o Estado do Acre na posse do imóvel descrito na petição inicial, ficando os réus, condenados ao pagamento das custas e honorários advocatícios, estes fixados em R$ 1.000,00 (mil reais)”.
Os rés citados no processo são: os Coronéis aposentados da PM Farney Correia Lima e Deodato Nunes de França, coronel Amarildo Martins Camargo, Tenente Coronel Marcelo Antonio Victor, capitão João da Cruz Santana, major Rubens Mario da Silva, capitão Rodrigo Heitor Brady, e o major Wherles Fernandes da Rocha.
Dos citados acima, dois não residem mais na Vila Militar. O Coronel Amarildo cedeu a casa onde morava para sua ex-esposa e o major Rubens Mário da Silva, se antecipou á decisão judicial e já entregou a chave do imóvel.

Major deputado diz que tomada de imóveis é perseguição do governo
O major Wherles, eleito deputado estadual na última eleição, falou em nome dos oficiais citados na ação. Ele disse que o grupo foi julgado á revelia, sem direito de defesa, e classificou a ação o estado como perseguidora e imoral.
“Essa ação tem cunho político. Tem oficial que mora lá há mais trinta anos. Eu moro lá desde 2000, mas estou de saída. Esse processo nada mais é do que uma forma de perseguição contra nós, que dentro da PM, formamos oposição contra o governo. Todos lembram que eu fui preso por discordar de muitas ações ilegais na PM. Isso eles fizeram questão de levar á frente, mas não falam na imoralidade que foi aumentar o salário do governador para 24 mil reais. Creio que meus colegas devam recorrer da decisão. Quanto a mim, vou sair de lá ainda essa semana”, disse o major, que quando assumir como deputado em fevereiro, passará a receber da Aleac um auxílio moradia.
Jairo Barbosa - jbjurua@gmail.com

5 comentários:

  1. É por essas e outras que daqui a quatro anos a resposta virá nas urnas!!! Ou melhor dois, vamos começar retiranduos da prefeitura da Capital.

    ResponderExcluir
  2. Cap R/R Mário Dias6 de janeiro de 2011 06:36

    Os ocupantes das casas da Vila Militar estão pagando pela acomodação e até falta de visão de Cmts e assessores anteriores. Nunca se preocuparam em estabelecer normas legais e clara para a utilização e desocupação daquelas unidades habitacionais. Se tivesse evitaria essas represálias.
    ROCHA BATEU/BATE DE FRENTE COM ELES; FARNEY SEMPRE FALOU MAL DO PT; E DEODATO QUASE DEPUTADO FEDERAL PELA OPOSIÇÃO. VOCÊS QUERIAM O QUE? QUE TIÃO MANDASSE TIRAR O ESTACIONAMENTO DA SEC DE NOSSA ÁREA? OU MANDAR FAZER UMA ESPÉCIE DE JARDIM SUSPENSO DA BABILÔNIA EM FRENTE AS CASAS?

    ResponderExcluir
  3. O TIÃO DO TELEFONE NÃOTEM MORAL PRA COBRAR NADA DE NINGUEM.

    ResponderExcluir
  4. Peraí pessoal, vamos ser coerentes!
    Enquanto os pracinhas que ganham uma miséria e trabalham MUITO MAIS, não tem muitas vezes onde morar, moram de aluguel perto dos marginais, pra que o Estado deveria ficar bancando moradia pra oficial que ganha MUITO MAIS e pode tranquilamente comprar sua casa em um bairro seguro da Capital?
    Isso aí só prova a MAMATA em que os oficiais estão acostumados a viver: a polícia é UMA para os oficiais e OUTRA para os praças!
    Tem desses aí que não tem uma casa aqui no Acre, mas nos seus Estados de origem...
    Dessa vez vez a Justiça acertou...
    Desocupem o patrimônio público e comprem uma casa, vocês ganham muito bem pra isso!

    ResponderExcluir
  5. Concordo com o segura a peteca, assim como queremos isonomia de risco de vida igual os coroneis, como e a etapa alimentação, nao podemos querer que os oficiais morem na vila e os praças num bairro violento. Cel Farney ja tem direito a usucapião, 30 anos na vila nao e mole não, kkkkkkk

    ResponderExcluir

Evite palavrões. Dê seu apoio, faça a sua crítica, mas com respeito a todos.