sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Um desespero, uma estratégia

Edvaldo se reúne com militares para tentar emplacar candidatura ao senado

Quem precisou passar por algumas ruas do bairro Seis de Agosto no último dia 15, percebeu um forte esquema de proteção montado e se assustou. Era por volta das 20h00min, quando o senhor João Maria se dirigia para casa depois de um longo dia de trabalho. João é um dos moradores da Rua 1º de Maio, localizada à beiro do Rio Acre. Sem entender o que estava acontecendo, ele foi informado de que se tratava de uma reunião entre o governador Binho Marques, o candidato ao senado Edvaldo Magalhães e diversos oficiais da Polícia Militar do Acre.
"Eu queria que o bairro fosse sempre assim, cheio de segurança", declarou o morador.
Já era de se esperar, se alguns oficiais foram favorecidos durante o governo petista, nada melhor do que retribuir a ajuda.
Estava na pauta da reunião, o apoio dos millitares oficiais à cadidatura de Edvaldo. Desde a primeira pesquisa atrás do candidato de oposição, Sérgio Petecão, a nada pequena reunião poderia representar uma alavancada na cadidatura do comunista.  Poderia.

Os voluntários 
A chegada de cerca de 30 policiais voluntários que não foram convidados representou um momento tenso entre o candidato e a categoria. Vestidos com uma blusa de protesto, eles quase foram barrados na entrada do evento, mas temendo um mal maior, o coronel que fazia as vezes de porteiro permitiu a entrada.
"Assim que nós entramos, os nossos celulares começaram a tocar, eram nossos superiores pedindo a nossa saída. Uns sairam. Quem ficou, recebeu um aviso de pé de orelha dando conta de que naquele momento não era pra fazer protesto. Nós não fomos fazer protesto, apenas queriamos o que todos queriam, pedir , em nosso caso ajuda para a nossa efetivação. Não precisou chamar a gente não, nós somos voluntários para reunião também", afirmou um dos voluntários PM.

As falas
Binho Marques falou sobre as conquistas que os militares tiveram no governo dele e logo depois deixou a palavra com o candidato. Para Edvaldo, os militares vivenciaram um novo tempo com o governo petista e o Acre também pôde se desenvolver. 
Durante as falas, emergiram alguns assuntos polêmicos como a morte da assessora palarmentar de Fernando Melo meses atrás e a flexibilidade das leis na punição do assassino que há apenas dias tinha saído da cadeia depois de passar curto espaço de tempo preso. Nesse momento, um capitão levantou a voz e disse que se fosse um militar estaria preso ainda da primeira cadeia.
Apesar da palavra um tanto amarga e verdadeira do oficial, não fosse a presença na reunião dos policiais temporários, a festa governista teria tido êxito. Pedindo a palavra, o presidente da comissão  dos temporários solicitou ajuda e obteve uma resposta nada agradável. Edvaldo não disse nem que iria pensar, mas deixou bem clara a sua posição quanto à categoria. Dela nada se pode esperar.
As falas dos oficiais, entre elas a do coronel mais cotado para assumir o comando da PMAC nos próximos meses, Júlio Cesar, foi de anuência aos interesses do governo. Ele ressaltou iainda a força dos militares demonstrada no último pleito para vereador. Os outros oficiais ou ficaram calados ou concordaram com a fala.

O tiro pode ter saído pela culatra

Não foram poucos os oficias que gostariam de estar em outro canto curtindo a folga. Talvez um dos fortes erros cometidos pelo governo e pelo candidato foi ter deixado oficiais nada populares para organizar a reunião. Todos sabem que a grande massa dos votos são de praças e somente pelo fato de saber que certos oficiais estavam na organização do evento já fez com que o votos de muitos militares estaduais se direcionassem para o lado oposto.
Não é a primeira vez que acontece uma reunião da categoria com candidatos do governo. Meses atrás, o deputado Luiz Calixto denunciou em seu blog uma reunião organizada por um coronel entre sargentos e dois candidatos do PT em um clube militar na capital. A exemplo do que aconteceu anteriormente, essa última não guardou bons resultados.

4 comentários:

  1. Se depender de praça vai continuar em baixa! Tiveram quatro anos pra fazer alguma coisa pelos militares, o pouco que fizeram foi acompanhado de uma sonora palavra de quem é descontrolado, "BADERNEIROS" . Agora a pipa pegou vento seus PeTralhas!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Polícia educada é polícia que não se pode dominar. No dia das eleições, acredite, o comando vai fazer de tudo para que os policiais não votem; vão escalar os PMs nos lugares mais distantes possíveis e, a ordem vai ser: PM não pode abandonar o seu posto. Pesso a todos os PMs que estiverem de serviço, vamos ajudar os pms que não tiverem transporte para votar. Vamos mostrar mais força nessa eleição do que na eleição do vieira.

    ResponderExcluir
  3. Uma coisa sobre o mais cotado para ser comandante, ele não comanda, é mandado, assim como foi quando comandante do BOPE, entra calado e sai calado, assim como o Ulisses, que só aparece em dia santo; mas é isso que o governo quer, alguém mudo, então o Júlio Cezar tá bom. Em relação a beneficiar a PM, comandante algum vai fazer algo não, tem cargo que ganha bem e não querem perder a grana. Temos que mudar isso, tirar a diretoria da AME, que estar coopitada com o governo e colocar uma bandeira nova, sem mentiras e demagogias. Que Deus nos ajude. PT nunca mais.

    via190.blogspot.com

    Visite nosso blog, é mais uma arma pela defesa dos nossos direitos.

    ResponderExcluir
  4. capitão morrimento18 de setembro de 2010 06:33

    ""POLICIAIS DESUNIDOS....SEMPRE SERÃO VENCIDOS....""
    ESTAMOS COLHENDO FRUTOS PODRES PELA CAUSA E EFEITO
    DO "ADUBO/COCÔ/CAGADA" DA DESUNIÃO, DA FALTA DE LIDERANÇA, DO EGOÍSMO,(PRIMEIRO EU)DA MESQUINHARIA E DA FALTA DE VISÃO DO FUTURO. PARA MUITOS O IMPORTANTE É O "HOJE" !
    NEM PEC, NEM REAJUSTE SALARIAL, NEM PLANO BRESSER, NEM COLLOR, NEM PLANO VERÃO.....NADA !! DESDE MAIO DE 2009....NADA X NADA = ISSO QUE ESTAMOS VENDO E VIVENDO.
    QUE "DEUS" ESTEJA CONOSCO !!

    ResponderExcluir

Evite palavrões. Dê seu apoio, faça a sua crítica, mas com respeito a todos.