segunda-feira, 23 de julho de 2012

Ameac renova contrato com banca Roberto Duarte e Advogados Associados



A assembléia geral realizada no auditório da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), na tarde da última sexta-feira, 20, decidiu pela renovação do contrato entre a Associação dos Militares e a banca de advogados Roberto Duarte e Associados.

O evento contou com pouca participação de militares, mas ofereceu debates importantes a respeito do atendimento e a continuidade da prestação de serviços.

- Eu sou a favor da renovação do contrato, mas deixo minha reclamação quanto ao advogado que não deu entrada em um processo, eu acho que isso me fez perder a promoção, declarou o sargento Clodomir que pretende, em breve, chegar a subtenente.

Para o advogado Roberto Duarte, a prestação de serviços não está isento de problemas.

- Não pretendo justificar uma falha. O advogado que você citou não está mais conosco. Vou analisar pessoalmente o seu caso, prometeu o advogado.

O presidente da Ame, Isaque Ximenes, elogiou a atuação da banca e falou sobre a importância da continuidade do atendimento.

- O processo de renovação com a banca nos deixa seguros quanto à continuidade na defesa efetiva dos associados. Ela já vem desenvolvendo um ótimo trabalho e já está familiarizada com a rotina militar ficando assim mais fácil entender as nuances da nossa legislação, declarou o presidente.

Dos valores e serviços

De acordo com a proposta feita pela banca, o valor sairia dos atuais R$ 22.500,00 (vinte e dois mil e quinhentos reais) para R$ 24.500,00 (vinte e quatro mil e quinhentos) com ampliação dos serviços. A partir da renovação do contrato, os associados poderão ser defendidos também na área trabalhista e tributária.

- Além dos advogados que temos hoje, contratarei mais dois a fim de prestar os serviços que estamos disponibilizando através do contrato, afirmou Roberto Duarte.

O tesoureiro da Ame, sargento Joelson Dias, nos informou que a inserção desses novos serviços atende à demanda da categoria e da associação em si.

- Não é incomum que um militar tenha pessoas trabalhando como empregada doméstica seja cuidando da casa ou dos filhos, e, na hora de encerrar a prestação de serviços, quase sempre isso parar na justiça. Embora a banca não tenha se eximido desse tipo de defesa, isso não estava previsto no contrato. Isso agora é um direito do associado e um dever da banca, declarou.

Quanto ao campo tributário, o sargento afirmou que a Ame já está prestes a concluir a auditoria fiscal e necessitará muito do serviço.

- Nós estamos prestes a tomar uma decisão muito importante para o futuro da entidade. Precisamos de advogados para fazer nossa orientação sobre medidas que deveremos adotar dentro do campo tributário, finalizou o tesoureiro.

3 comentários:

  1. E o estagiário que se passou por "doutor" prá mim, pegou meu ofício e não fez nada, ele já mandou embora?

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Quem foi que ganhou aqui em Cruzeiro do Sul para prestar a assistência jurídica, alguém sabe?

    ResponderExcluir

Evite palavrões. Dê seu apoio, faça a sua crítica, mas com respeito a todos.