quarta-feira, 31 de julho de 2013

AME buscará na justiça reclassificação de terceiros sargentos inativos

A Associação dos Militares (AME), através da Banca de Advogados Roberto Duarte, buscará na justiça o direito de reclassificar os terceiros sargentos de nível I que se encontram na inatividade ou afastados de suas funções. Com a ação, os militares poderão receber os proventos de um 3º sargento nível V.

- Ocorre que os policiais militares inativos fazem jus ao direito de receber seus proventos na mesma proporção que os servidores em atividade de acordo com o Art. 40, § 8º da Carta Magna, bem como no art. 34 da Constituição do Estado do Acre, sendo assegurado o referido direito no art. 56 da Lei Complementar n.º 164/2006, Estatuto dos Militares do Estado do Acre, afirma o advogado Roberto Duarte.

Os policiais militares inativos já haviam pleiteado o direito junto ao Comando Geral da PM e teve seu requerimento indeferido no processo administrativo nº 2012.02.001153, sob o argumento de ausência de amparo legal, ainda que demonstrada ao final, a garantia deste direito tanto por intermédia da legislação quanto pelo entendimento jurisprudencial.

A ação judicial também solicita o pagamento retroativo com juros e correções monetárias.

- Os Juros de mora devem ter por termo inicial a data da citação, com índice especificado na Lei n° 9494/97, Art. 1º-F, e a correção monetária deve ser observada a partir do pagamento a menor de cada parcela, aplicando-se o índice do INPC, consoante o entendimento dos Tribunais Superiores, declarou o advogado da AME.

Para o sargento Isaque Ximenes, presidente da Associação dos Militares, é preciso lançar um olhar atento aos interesses dos policiais e bombeiros reformados, inativos e dos pensionistas para que tenham garantidos seus direitos e sintam que não estão abandonados e sem representação.


- Quando cuidamos dos assuntos dos inativos e pensionistas estamos cuidando do nosso futuro, do futuro dos militares que hoje estão na atividade. Nos próximos dez anos, diversas turmas de oficiais e praças deverão deixar a Caserna e não podemos abrir uma vírgula das conquistas que tivemos nos últimos tempos, pontuou o presidente.

Fonte: Site da AME

Comentário de internauta sobre as declarações do comandante geral da PM

Comando nega acusação

O coronel Anastácio, comandante da Polícia Militar, garante que sempre esteve ao lado da corporação. "Eu também sou policial. Então não vou estar contra nunca", enfatizou. Porém, admitiu o atraso na entrega dos novos uniformes aos policiais. "De fato, teve um atraso. No final do ano passado nós entregamos um para cada policial. Outra licitação para adquirir mais um  já foi feita e estaremos entregando em breve", garante.

Em relação a falta de viaturas, Anastácio afirma que a PM recebeu seis novos carros. "E também temos mais oito viaturas licitadas e estamos para receber. Elas serão entregues em 30 dias", afirma.

Comentário de um internauta

Seis vtr para serem entregues, licitação de uniforme foi feita blá blá blá SEIS viaturas, o que se vai fazer com isso? 1ºBPM, 2ºBPM, 3ºBPM, 4ºBPM, 5ºBPM, BOPE e CIA Ambiental parece que vai faltar 1 carro, isso para a capital imagina interior. Outra coisa "houve um atraso na entrega de fardas ano passado"? Como assim meu querido? O estatuto é de 2006, estamos em 2013 são 7 anos logo deveria ter pelo menos 14 uniformes aqui em casa só escutando a conversa. Vocês estão atrasados não é de hoje não, eu digo vocês pq o CMT Geral é só um porta voz do governo na corporação e seu dever é esse mesmo, defender o interesse do seu "patrão" então deixa quieto, agora NÓS que estamos por aqui na ponta da lança é que temos que ACORDAR e começar a exigir que nossos direitos sejam cumpridos, chega de esperar, vamos agir e entrar na justiça contra o Estado.

4 de Maio

Falar o quê? O internauta está certo.

terça-feira, 30 de julho de 2013

Governo anuncia Prêmio Anual de Valorização de Atividade Militar no valor de 630 reais


O Executivo Estadual demonstrou mais uma vez que o descaso com as instituições militares é fruto de uma opção de governo. Depois da mobilização dos militares nas redes sociais e nas assembleias da AME, os assessores de Sebastião Viana anunciaram o aumento do Prêmio Anual de Valorização da Atividade Militar (VAM) para R$ 630,00 (seiscentos e trinta reais), oitenta reais a mais do que o anunciado na última semana.

A informação do aumento foi fortemente repassada pelos oficias da PM e do Corpo de Bombeiros na manhã de hoje, 30. O VAM deverá ser pago até o dia 5 de agosto.

Decreto

Para conceder o aumento, o Decreto nº 4.912, de 25 de dezembro de 2009, foi alterado pelo Decreto nº 6.135, de 29 de julho de 2013, publicando no Diário Oficial nº 11.100, de hoje, 30, passando a vigorar com algumas pequenas modificações em alguns artigos e incisos. O artigo 5º, por exemplo, teve um acréscimo com o inciso V, Elucidação de crimes contra a vida, que aumentou o quesito analisado pela Secretaria de Segurança Pública.

Além disso, os percentuais, de que trata o artigo 8º, também foram modificados. A redução da taxa de homicídios que era de 40%, passou a ser 20%, a elucidação de crimes contra vida, que deveria ser tratado especificamente pela Polícia Civil, ficou em 30%. Já a redução dos crimes de roubo saiu de 20, para 10%. As apreensões de drogas, que não tinha previsão, passou a vigar com o percentual de 20%.


A mudança não é definitiva. De acordo com as associações, o decreto que regulamento a concessão do benefício deverá ser alterado em parceria com as entidades representativas dos militares. O que se pode supor, é que através das correrias do comando geral, das insatisfações da categoria e das associações, o governo deu um jeitinho para dar um pequeno acréscimo no valor do prêmio. Poderia fazer o mesmo para conceder os 100%. 

segunda-feira, 29 de julho de 2013

VAM será pago até o dia 5 de agosto, afirmam assessores do governo

O Prêmio Anual de Valorização (VAM), que gerou polêmica nos últimos dias, será pago até o dia 5 de agosto. A informação partiu dos assessores do governo durante uma das rodadas de negociação na última semana.

As lideranças militares compartilharam a notícia através das redes sociais e deixaram a categoria de orelha em pé. Isso porque a educação não recebeu na última sexta-feira, 26, data prevista para o pagamento, o seu prêmio de valorização.

As associações acreditam no informe governista e acreditam que o executivo irá cumprir com pagamento de R$ 540,00 (Quinhentos e quarenta reais) do VAM até a data prevista.


Nos últimos dias, foi ventilada a ideia de que a redução no prêmio de valorização aconteceu para garantir a primeira parcela da Isonomia do Risco de Vida, prevista para o final agosto. O valor da retirada corresponde a cerca de R$ 400,00 (trezentos reais), enquanto a primeira parcela girará em torno de R$ 200,00 (duzentos reais). Se a ideia for certa, os militares deixarão de receber R$ 200,00 (cem reais), cada um. É o governo dando uma de esperto mais uma vez. 

AME entrará na justiça contra o governo solicitando pagamento retroativo de fardamentos

Da Assessoria

A Associação dos Militares vai buscar na justiça o cumprimento da lei que prevê dois fardamentos por ano para os policiais e bombeiros militares. A entidade afirma que o direito vem sendo desrespeitado pelo governo e que nos últimos cinco anos, apenas dois uniformes foram entregues.

O Estatuto que rege as duas corporações militares, tanto a PM quanto a do Corpo de Bombeiros, foi aprovado em 2006, mas até este ano não vem sendo cumprido.

- Estamos distribuindo nas unidades militares, um requerimento a ser preenchido e entregue para os comandantes imediatos. Esse documento é endereçado ao comandante geral da PM. É através dele que os militares vão justificar que não possuem fardamento para a execução dos serviços, declarou Joelson Dias, tesoureiro da AME.


A previsão para entrada da ação é de um mês, nesse tempo, as unidades do interior serão visitadas e os militares orientados.

PM´s pedem mais investimentos durante manifestação no Acre

Policiais reclamam da falta de uniformes e viaturas. Comando é acusado de tentar desarticular movimento.


Um grupo de Policiais Militares realizou uma manifestação na manhã desta sexta-feira (26), saindo em passeata da Concha Acústica em Rio Branco até o centro da cidade. Os PMs estão insatisfeitos com as condições de trabalho, pedem mais investimentos do governo para a segurança pública no estado e reclamam da falta de viaturas e uniformes.

Segundo o militar Joelson Dias, desde 2009 a tropa utiliza dois uniformes. "Nós temos direito de receber dois uniformes por ano e só recebemos uma vez. É impossível você trabalhar quatro anos com dois uniformes", reclama.

O presidente da Associação dos Militares do Estado (AME) Isaque Ximenes comenta que a categoria tenta um diálogo com governo desde 2011. "A gente tem se esforçado o máximo para não chegar ao ponto de fazer manifestações, buscamos um diálogo harmonioso, mas as negociações não avançam e a gente veio se manifestar por conta do descontentamento", afirma.

O estopim, segundo Ximenes, foi a redução do prêmio de valorização do policial, pago duas vezes no ano. "Foi cortado quase pela metade sobre a alegação de não cumprimento de metas. Mas é difícil dizer aos militares que eles trabalharam menos neste ano. Na realidade nossos policiais têm se desdobrado, o que falta é investimento", diz.

Ximenes acusa o próprio comando da PM de estar contra a tropa e ao lado do governo na tentativa de desarticular o movimento. "A gente fica decepcionado com algumas atitudes políticas. Houve chamadas na escala de serviço para algumas reuniões e formaturas. Então, a categoria fica entre pegar uma cadeia, por faltar o trabalho, e vir para o movimento. O policial opta por não ser preso, claro", afirma.

Comando nega acusação

O coronel Anastácio, comandante da Polícia Militar, garante que sempre esteve ao lado da corporação. "Eu também sou policial. Então não vou estar contra nunca", enfatizou. Porém, admitiu o atraso na entrega dos novos uniformes aos policiais. "De fato, teve um atraso. No final do ano passado nós entregamos um para cada policial. Outra licitação para adquirir mais um  já foi feita e estaremos entregando em breve", garante.

Em relação a falta de viaturas, Anastácio afirma que a PM recebeu seis novos carros. "E também temos mais oito viaturas licitadas e estamos para receber. Elas serão entregues em 30 dias", afirma.

Prêmio de valorização 

O secretário de Segurança do estado Ildo Reni informou ao G1 que o prêmio de valorização realmente foi reduzido por não cumprimento de metas. "Não foram atingidas totalmente e o prêmio vai ser pago proporcionalmente, conforme o decreto determina.  Então temos que cumprir a lei", diz.

Segundo ele, há uma necessidade real de mudança no decreto. "Estamos fazendo todos os esforços para fazer uma alteração do decreto para ele ter alguma adequação no sentido de melhorias para os policiais. Esse decreto é de 2009 e realmente necessita de alteração", admite.

Fonte: G1/Acre

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Associação dos Militares realiza manifestação pública por melhores condições salariais e de trabalho

Da Assessoria


A Associação dos Militares (AME/AC) realizará na próxima sexta-feira, 26, a partir das 8h30min., na Concha Acústica, em Rio Branco, uma manifestação pública reivindicando melhores condições salariais e de trabalho. Entre as pautas da categoria estão a isonomia do risco de vida, o prêmio anual de valorização e carga horária de trabalho semanal.

De acordo com os líderes da manifestação, as negociações com o governo do estado não tem avançado e, em alguns casos, tem regredido. Eles citam o caso do prêmio anual de valorização que teve um corte de 40% sob a alegação de não cumprimento de metas.

- Os assessores do governo disseram que os índices de homicídios aumentaram nos últimos seis meses. Acontece que a PM e o Corpo de Bombeiros não são os únicos responsáveis por esse índice. Alguns homicídios, por exemplo, foram realizados por motivações passionais, outros por disputa do tráfico de drogas, são casos difíceis de evitar e de combater se não através de políticas públicas que envolvam saúde, educação, esporte e cultura. Não é somente um caso de polícia, é também um caso de política, argumentou Isaque Ximenes, presidente da AME/AC.

Risco de Vida

Outra pauta de negociação é a isonomia do risco de vida. Segundo a reivindicação, o percentual de gratificação de um soldado que trabalha no combate direto ao crime é muito inferior a de um coronel que trabalha no setor administrativo e não possui contato direito com criminosos. A ideia é fazer com que todos ganhem o mesmo valor. As lideranças receberam a promessa do governador Tião Viana de que em maio deste ano o benefício seria concedido, contudo, o governo do estado alegou problemas financeiros e a promessa foi adiada para agosto. Os militares passaram a não acreditam nessa possibilidade.

Carga horária

Tanto a Polícia Militar como o Corpo de Bombeiros ainda não possuem carga horária definida. Não existe uma lei complementar que estabeleça a jornada de trabalho semanal e isso faz com que os militares cheguem a trabalhar até mais de 72 horas por semana, 63% a mais do que prevê a Constituição Federal do Brasil, que é de 44 horas.

Além da jornada de 72 horas, os militares ainda devem participar das atividades de educação física e comparecer nas sessões de judiciárias para prestar esclarecimentos das prisões e apreensões que realizam.


- Estamos entrando com um mandado de injunção porque, hoje, não temos uma lei que regule nossa jornada de trabalho e é um dos nossos grandes anseios, afirmou Ximenes.

terça-feira, 23 de julho de 2013

CONVOCAÇÃO

Associação dos Militares do Estado do Acre – AME/AC
(Policia Militar e Corpo de Bombeiros Militar do Acre)



A Associação dos Militares do Estado do Acre (AME/AC) convoca todos os militares estaduais, sócios e não sócios, para participarem de uma MANIFESTAÇÃO PÚBLICA, a ser realizada no dia 26 de julho de 2013, com concentração na Concha Acústica, a partir das 8h30min., saindo em passeata, passando em frente ao Gabinete Civil e encerramento na Praça da Revolução, em frente ao Quartel da PM.

Pautas: Isonomia do Risco de Vida, Prêmio de Valorização Anual, Fardamento, Quadro Organizacional e Carga Horária.




Rio Branco – Acre, 23 de julho de 2013




Isaque Félix Ximenes – SGT PM
Presidente da AME/AC


Policiais Militares podem tirar serviço na Expoacre sem farda


A negligência do governo com a Polícia Militar pode render um fato inédito. Os militares podem tirar serviço sem farda na Expoacre 2013. Isso porque o executivo não vem cumprindo com o pagamento de dois fardamentos completos por ano.

Segundo os militares que estão pleiteando a questão nas redes sociais, o governo petista e os comandos gerais da PM e do Corpo de Bombeiros nunca cumpriram com o direito em sua totalidade e os atuais fardamentos utilizados pelos policiais já estão desgastados.

O comando afirma que o processo de licitação é demorado, mas ao mesmo tempo não procura realizar a atividade com antecedência a fim de cumprir os prazos.


A medida da categoria faz parte de um dos pontos a serem realizados pela Operação Polícia Legal, que tem por objetivo jogar as mazelas do sistema contra o próprio sistema. 

AME realizará marcha para reivindicar promessas não cumpridas pelo governador Sebastião Viana


Cansados das mentiras e das manobras para enrolar os militares, as lideranças do movimento parecem que perderam a paciência e já acenam com um enfrentamento. Está marcada para o próximo dia 26, sexta-feira, a partir das 8h30min., na Concha Acústica, uma marcha que tem por objetivo reivindicar o cumprimento das promessas realizadas por Sebastião Viana.

De acordo com a Associação dos Militares, cinco pautas serão cobradas pelo movimento. A primeira diz respeito a carga horária que se matem indefinida para policiais e bombeiros militares. Existe um Projeto de Lei tramitando na Assembleia Legislativa de autoria do deputado Major Rocha que não está progredindo por manobras dos deputados do governo.

A segunda pauta é o Prêmio Anual de Valorização da Atividade Militar, que gerou nos últimos dias diversas críticas ao Governo do Estado. Os assessores do executivo afirmaram em reuniões que a PM havia cumprido apenas 20% dos critérios adaptados pelos comandos e isso renderia apenas, cerca de R$ 360,00 (trezentos e sessenta reais) e que não poderiam aumentar porque o Tribunal de Contas do Estado (TCE) não permitiria. O que causou estranheza na categoria foi que no dia seguinte, em uma assembleia da AME, o governo anunciou um acréscimo para R$ 540,00 (quinhentos e quarenta reais), com a informação de que a PM teria cumprido 60% dos requisitos necessários. Os militares se sentiram enrolados e passaram a acreditar que os números fornecidos estavam “viciados” para favorecer o governo.

O Quadro Organizacional das instituições também será lembrado. Depois de aprovar apenas uma vaga para coronel, o Corpo de Bombeiros sonha com benefícios que venham a dar fluidez nas promoções de praças e oficiais que estão há mais de dez anos no mesmo posto ou graduação. Já na PM, a atual organização, promete parar as promoções dos terceiros sargentos em mais de 15 anos para alguns militares da turma de 2002, além de fazer com que os atuais terceiros sargentos das turmas de 1993 e 1994 não tenham perspectivas de ascensão na carreira.

Os militares também reclamam que o governo não está cumprindo com o Estatuto que rege a PM e o Corpo de Bombeiros. De acordo com eles, o direito a ter dois fardamentos completos por ano não está sendo respeito e ameaçam tirar serviço com roupas comuns a partir de sexta-feira.


A quinta reivindicação é na verdade uma manifestação em favor dos 14 militares processados sob acusação de motim nos dias 13 e 14 de maio. A AME acredita na inocência dos acusados, mas temem a postura do governo e sua indicações junto aos oficiais juízes, que fazem parte do poder executivo e precisam do aval do governador para serem promovidos.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Polícia Militar de Sena Madureira evita suicídio



O Comando da PM e os Assessores do Governo ainda afirmam que os Policiais de Sena são culpados pelos altos índices de criminalidade. Tem um dos efetivos mais atuantes do Estado e os mais dedicados também. 

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Em defesa dos profissionais da segurança pública

Da Assessoria


O deputado Major Rocha pensando na valorização dos operadores da Segurança Pública do Acre, apresentou no primeiro semestre de 2013 o projeto de lei nº 25 que dispõe sobre a Carga Horária Semanal para os profissionais de Segurança Pública no Estado do Acre.

De acordo com a lei, a duração da jornada de trabalho desses profissionais não excederá 40 horas semanal e ainda, toda hora trabalhada que exceder 40 horas semanais deverá ser paga em forma de hora extra, no valor de 50% a mais da hora normal.

Será obrigatória hora extra voluntária somente nos casos de guerra, estado de defesa, estado de sítio, calamidade pública ou mobilização. Quando o profissional estiver em ocorrência continua, como flagrantes, perseguições, rebeliões ou qualquer outra que necessite ao acompanhamento direto e sem interrupção, o mesmo deverá dar continuidade tendo direito à percepção da hora extra.

“Enquanto não se estipula um limite, o Estado não padroniza o horário de trabalho dos operadores de segurança existindo casos nos quais militares possuem regimes de trabalho diferenciados sem qualquer embasamento legal”, comentou Rocha.

O deputado observa que da forma como está, o operador fica constantemente em risco de morte, o que gera um maior desgaste físico e psicológico “tendo como consequência maior exposição a doenças e acidentes de trabalho”, acrescentou o deputado Rocha.

Na reserva, depois de prestar relevantes serviços à Policia Militar do Acre, o deputado Major Rocha disse que existe uma determinação legal de que a atividade militar deva ser realizada em regime de trabalho integral e exclusivo.


“Todavia em nosso Estado não há nenhuma legislação que estabeleça o máximo da carga horária a ser prestada”, concluiu.

Energia mais barata para as famílias que utilizam equipamentos terapêuticos indispensáveis

Da assessoria

Outro projeto de grande importância social apresentado pelo deputado Major Rocha, na Assembleia Legislativa, é o que dispõe sobre a isenção do imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias – ICMS para o fornecimento de energia residencial aos consumidores que utilizam equipamentos necessários a realização de procedimentos terapêuticos indispensáveis.

Na prática, a proposta do deputado é isentar o pagamento do ICMS para residências de famílias que utilizam equipamentos eletrônicos indispensáveis para a vida, como aquelas que fazem uso da oxigenoterapia prolongada domiciliar - que é capaz de melhorar a qualidade de vida de pacientes portadores de bronquite crônica tabágica, com insuficiência respiratória crônica.

“Muita gente compra ou aluga aparelhos, uma vez que o estado não dispõe de número suficiente para atender a demanda. Pior que isso é a conta de energia paga no final do mês, acrescentada com o uso frequente desses aparelhos, fragilizando ainda mais o paciente”, comenta Rocha.

O deputado acredita que o Projeto de Lei busca o equilíbrio. Argumenta que o tratamento terapêutico reduz o número de internações na rede estadual de saúde. “Nada mais justo que em contrapartida, o governador isente esses pacientes do ICMS na conta de luz, reduzindo custos e ajudando a salvar vidas”, concluiu o deputado.

COMANDANTE DA PMERJ CRITICA MÍDIA E DIZ: "BOA OU RUIM, É A PM QUE VOCÊS PRECISAM".




O comandante da Polícia Militar do Rio, Erir da Costa Filho, criticou a imprensa, pediu o apoio da mídia e defendeu a corporação que comanda. "PM, boa ou ruim, é a que vocês precisam. É a que está na rua 24 horas. Não tem outra", disse, visivelmente emocionado durante coletiva de imprensa hoje.

Costa Filho reclamou da imprensa por fazer críticas à atuação da Polícia Militar durante os protestos das últimas semanas. Ele afirmou que a corporação precisa de "apoio".

"Estamos lá para dar segurança a todos vocês. Inclusive para a imprensa. E nós não temos tido apoio dos senhores também. Temos policiais feridos. Mas esses direitos humanos não é para a polícia. Somos policiais militares, eleitores e cidadãos. Se a PM não estiver ali, é anarquia. Todos têm que ter responsabilidade. Não brinquem com o que está acontecendo. Ninguém sabe o que está por trás. A responsabilidade da mídia é muito grande", afirmou.

O comandante da PM relatou o que, segundo ele, tem ocorrido com policiais que permanecem na linha de frente dos confrontos.
"Eles ficam de frente para a polícia esperando a reação. O que fizeram com os policiais militares? É mijo o que eles jogam em cima da gente. Cospem na nossa cara. Somos também cidadãos. Nós somos cidadãos".

O oficial, por fim, pediu ajuda da imprensa para identificar os responsáveis pelas depredações que têm ocorrido após as manifestações.
"O jornalista é uma polícia. Ele faz um trabalho policial, de investigação. Não é? Às vezes sabem primeiro que a polícia, e tem que nos ajudar também".

Treinos

O comandante afirmou que há cinco anos a disciplina para controle de distúrbios foi retirada do currículo da formação de policiais militares. Apenas agentes do Batalhão de Choque participam de cursos para agir nesses casos.

De acordo com o coronel, a retirada ocorreu porque o Rio não tinha tradição de manifestações violentas. Há seis anos o Brasil foi escolhido como sede da Copa do Mundo, primeiro de uma série de eventos previstos no país que atraem protestos em todo o mundo.

"Tínhamos manifestações pacíficas. A cultura do Rio era assim. Há dois anos o Batalhão do Choque foi treinado pela polícia francesa", disse o comandante.
Ele afirmou que as manifestações atuais não têm líderes, o que exige "negociação virtual".

O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, afirmou que mesmo os cursos no país e no exterior feitos pelos policiais não seriam suficientes para controlar o que chamou de "turba", responsável pelas depredações ontem no Leblon.

"Existem protocolos em manifestações organizadas. Normalmente tem representantes, horário para começar e terminar, trajeto. Se você vai numa confusão, não há manual, nada mágico que faça resolver a situação. Não há protocolo no mundo para atuar com turba, em confusão", disse o secretário.

Fonte: Da Folhapress

quarta-feira, 17 de julho de 2013

A criatividade a serviço do mal no Bujari


A criatividade a serviço do mal aqui no Bujari continua em alta. No fim da tarde de ontem, dia 14, o adolescente L. L. S de 15 anos foi abordado por uma das guarnições devido ao não cumprimento de uma determinação judicial, e com o mesmo foi localizado este rústico "soco inglês" confeccionado com um tipo de tela metálica usada em lixeiras. Já em outra ocasião uma pessoa foi conduzida por portar uma arma feita com três bisturis e ainda um outro que fabricou uma escopeta utilizando um pedaço de cano galvanizado e alguns pregos. Ora! se esses empreendedores do mal canalizassem toda essa sabedoria para o bem, tenho certeza que lucrariam bem mais do que uma estadia gratuita nos aposentos cinco estrelas da delegacia do município. Fica a dica.

Fonte: Bujari 24 Horas, FaceBook

terça-feira, 16 de julho de 2013

IRMÃOS MILITARES É HORA DE NOS UNIRMOS E APOIAR OS MILITARES DO MOVIMENTO DO DIA 13 E 14 DE MAIO DE 2011

Criminalizar certas atitudes e descriminalizar outras é algo que nos incomoda, não podemos ser tomados pelo revanchismo ou pela vingança. 
Os militares do movimento do dia 13 e 14 de maio de 2011, que foram indiciados e pedida a condenação pelo MP, são pessoas que nos orgulham pelo que já contribuíram com a sociedade acriana, pelo espírito de unidade, respeito pelos colegas e compromisso com a instituição. 
Esses militares estão se sentindo ÓRFÃOS, abandonados pelos amigos, mas sei que não vamos abandoná-los, agora é hora de nos unir e nos mobilizar em defesa deles. 
Vamos organizar um manifesto em prol da defesa dos nossos amigos, aguardem a convocação, se formos unidos na defesa de nossos direitos e nossas causas conseguiremos êxito.

Isaque Ximenes
Presidente da AME/AC

Militares do Acre são requisitados para atuar na segurança do Papa durante visita ao Brasil


A Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) solicitou quatro militares do Batalhão de Operação Especias (BOPE) do Acre para compor o corpo de docentes para atuar no Estágio de Readaptação do efetivo para atuação em grandes eventos.
O referido estágio está acontecendo no Rio de Janeiro desde ontem (15) e se estenderá até quinta-feira (18). Os militares estão sendo preparados para trabalhar na segurança da vinda do Papa Francisco ao Brasil, por conta da Jornada Mundial da Juventude.
Do Acre, participam os PMs MAJ. Paulo Cezar, sobre Armamentos e Tiro Policial; CAP. Cristian Moura, sobre Patrulha; TEN. Rogério Ferreira, sobre Controle de Distúrbios Civis e SGT. Lourencio Moreira, sobre Tiro Policial.
A solicitação dos militares acreanos, segundo a Senasp, deve-se a referências positivas junto à classe, além de serem detentores de qualificação em cursos de especialização e experiência na área de ensino.
Estima-se que 1,5 milhão de pessoas participem da Jornada Mundial da Juventude 2013 ocorre entre os dias 23 e 28 de julho, no Rio de Janeiro. O evento, realizado a cada dois ou três anos, promove um encontro internacional de jovens católicos e o Papa.
A última edição da JMJ ocorreu em 2011, em Madri, na Espanha, e reuniu cerca de 2 milhões de pessoas, de mais de 190 países.

Da redação ac24horas
com informações do Site Sentinela da Fronteira