sábado, 29 de setembro de 2012

Dois PM’s se mudaram por causa de ameaças de traficantes




Pelo menos dois policiais militares já se mudaram por causa das ameaças dos traficantes no Segundo Distrito. De acordo com informações levantados pelo Blog 4 de Maio, o sargento Abel Amorim e o soldado Josimar já mudaram de endereço por causa das emboscadas dos traficantes que moram no Recanto dos Buritis.

Eles foram ameaçados de morte desde os primeiros dias deste mês e até o presente momento nada foi feito pelo comando da PM para preservar a vida dos policiais.

- Já avisamos a AME e eles pediram proteção para nossos irmãos de farda. Mas o comando está ligando para gente dizendo que não devemos fazer nada, devemos ficar parados esperando que eles nos matem? Nada disso. Traficante, bandido é que devem mudar de endereço, de preferência o endereço do presídio, temos que botar é rachando em vagabundo que ameaça e mata pai de família, declarou um sargento do 2º BPM.

Segundo os militares, o comandante da PM, José dos Reis Anastácio, está usando de todos os artifícios para dificultar as operações para prender os traficantes no Recanto dos Buritis, no fundo o coronel está com medo dos Direitos Humanos.
 
- Ele está preocupado que esse é o tempo das eleições e não quer que a PM ache a todo custo esses traficantes, mas eu não sou político, eu sou polícia e o meu cargo não depende de governo do PT não, declarou um soldado do segundo BPM na manhã de hoje.

Comandante da PM pretende perseguir militares que informaram a AME sobre oferta de bandidos




Uma atitude que até mesmo o blog 4 de Maio não esperava. Comandante da PM perseguirá os PM’s que informaram a AME sobre a oferta de bandidos pela morte de cada PM no Segundo Distrito.  A informação foi dada na tarde de hoje por um dos oficiais do Estado Maior que não concordou com a atitude do coronel José dos Reis Anastácio.

De acordo com o oficial denunciante, Anastácio determinou que os militares denunciantes fossem perseguidos e, se possível, presos por prestar notícias que deveria ser de sigilo absoluto.

- O comandante disse que essa era uma notícia que não deveria vazar e que tudo deveria ser mantido no mais absoluto sigilo a fim de não polemizar a questão, declarou o oficial superior.
A pressão foi realizada sobre pessoas que poderiam descobrir alguma coisa a respeito do repasse das informações.

- Eles não conseguiram nada comigo. Não adianta vim aqui para saber de nada. O comando não quer saber dos PM’s  que estão ameaçados, ele quer saber apenas de atender as exigências dos Direitos Humanos, somente isso, continuou o oficial.

Uma nota

O Coronal José dos Reis Anastácio mostrou a cara na manhã de hoje, 29. O comandante da PM publicou em um jornal que circula na capital um anota emitida em nome de todos os oficiais afirmando que os PM’s ameaçados de morte do 2º BPM estão errados e que o toque de recolher dos traficantes não passa de uma simulação.
 
- Mais uma vez o comando se expressa de uma forma contrária aos Policiais Militares a quem deferia defender. O comando está do lado dos traficantes do Recanto dos Buritis, declarou em o oficial do Estado Maior da PM ao 4 de Maio.

Militantes da frente Popular sao presos


Polícia civil receberá isonomia do risco de vida a partir de janeiro, para PM e a CBMAC quando será?

Governo equipara gratificação do agente de polícia à de delegado Imprimir E-mail

O governador Tião Viana autorizou a equiparação do risco de vida para agentes de polícia com o de delegado e determinou que o incremento salarial fosse pago a partir do início de janeiro de 2013. O valor referente à gratificação de risco de vida pago aos agentes de polícia atualmente é de R$ 345 e para delegado, R$ 805.
A determinação do governador é de que todos, do agente de polícia ao delegado, recebam o mesmo valor - R$ 805. Capitaneada pelo secretário Emylson Farias, a direção-geral da Polícia Civil vem mantendo, desde 2011, diálogos com a equipe de governo nesse sentido.
Sensível ao pleito da DGPC, o governador Tião Viana determinou que a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) realizasse um estudo do impacto econômico. No fim ele decidiu pela equiparação da gratificação a todos os policiais civis.
politica_290912_1.jpg

Para o governador, a isonomia da gratificação concedida aos servidores da Polícia Civil (policiais) “é uma questão de justiça aos valorosos homens que cuidam da Segurança Pública no Acre com comprometimento”. Tião Viana lembrou que o valor da vida é o mesmo, independentemente da função que o policial exerce.
Conforme o secretário Emylson Farias, a equiparação do valor da gratificação de risco de vida tem pautado reivindicação cíclica dos policiais. “A decisão do governador é sem dúvida um abissal ganho para a categoria, homens e mulheres que dedicam à vida em defesa da ordem pública”, observou o secretário.
A isonomia do adicional pelo risco de vida dos policiais civis faz parte da política de valorização dos servidores estaduais e do reaparelhamento das forças de segurança. E inclui ainda a realização de concurso público para a contratação de 220 agentes e de 30 escrivães de polícia. 
Fonte: Página 20

Militantes petistas são presos por ameaçar participantes da carreata do PSDB

Ray Melo,
da redação de ac24horas
raymelo@ac24horas.com

Militantes do Partido dos Trabalhadores (PT) foram presos na tarde desta sexta-feira, 28, por policiais militares do 4º Batalhão de Polícia Militar, quando ameaçavam os participantes da carreata do PSDB. Os jovens usavam máscaras para esconder o rosto.
De acordo com o boletim de ocorrência, quatro adultos e um adolescente, “que acompanhavam em um veículo Kombi, a todo instante ameaçavam e esmurravam os veículos”, que participavam do evento tucano.

Leia Blog do Altino: INTOLERÂNCIA POLÍTICA

Na abordagem, os policiais teriam sido desacatados. “Instantes depois de abordados, o individuo citado pelo nome Roraima, o qual tentou impedir o trabalho policial”, relatam os policiais militares no Boletim de Ocorrência.

“Os acusados acompanhavam, a carreata, fazendo provocações e ameaças com os rostos encobertos com máscaras”, segundo a ocorrência. Com os militantes petistas foram encontrados adesivos do candidato do PT à prefeitura de Rio Branco.


sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Associação dos Militares afirma que policiais estão com a cabeça a prêmio no Segundo Distrito



O atentado ao sargento Everaldo Santos de Aguiar, no bairro Belo Jardim, na noite da última segunda-feira, 27, pode ser o início de um grande conflito entre policiais militares e traficantes que agem no Segundo Distrito da capital do Acre. De acordo com a Associação dos Militares (AME/AC), pelo menos cinco policiais que trabalham na localidade estão com a cabeça a prêmio, cada um no valor de 30 mil reais.
A denúncia partiu de policiais do 2º Batalhão da Policia Militar no final da tarde de hoje, 27, informando os nomes dos PM’s ameaçados de morte.
- Ainda ontem, um sargento conseguiu sair ileso de uma emboscada. Cerca de cinco bandidos armados invadiram o quintal do PM e só não conseguiram executá-lo porque o policial fugiu, declarou o tesoureiro da AME, sargento Joelson Dias.
AME enviou um documento ao Comando Geral da PM informando oficialmente o fato e solicitando atenção e medidas cabíveis a fim de preservar a vida dos militares.
- Solicitamos a Vossa Excelência adoção de medidas protetivas em favor dos policiais militares acima mencionados. Tal adoção é de extrema relevância para gerar sensação de segurança àqueles que são imbuídos de manter a Ordem e a Segurança Pública de nosso Estado, e em especial, no momento, na cidade Rio Branco Acre, traz um trecho do ofício 76, protocolado no Quartel do Comando Geral.
A preocupação dos militares é que esses conflitos se intensifiquem e que mais policiais tornem-se vítimas de bandidos e traficantes que agem em Rio Branco.
- Estamos atentos sobre os acontecimentos a fim de cobrar a adoção de algumas medidas políticas e administrativas que venham a amparar os militares, prometeu o presidente da AME, Isaque Félix Ximenes.
O deputado Major Rocha lamentou o fato e afirma que isso pode iniciar um processo de insegurança na tropa.
- Os policiais trabalham com um alto grau de estresse. Prendem e, pelas brechas da lei, os advogados soltam. A sociedade já está começando a entender que os policiais militares são pessoas comuns como qualquer outra e que agora estão sofrendo por defender a sociedade de bandidos e traficantes que estão se vingando. Isso poderá levar a um alto grau de insegurança e acirrar ainda mais o conflito entre policiais e bandidos, declarou Rocha.
O parlamentar pretende levar esse caso para a tribuna da Assembleia Legislativa na próxima semana.
Sobre uma possível simulação por parte de militares anunciada pelo Movimento dos Direitos Humanos do Acre, a associação lamenta e polemiza a questão.
- Alguém já viu membros dos Direitos Humanos defenderem Policiais Militares? O senhor Jucivan Santos, coordenador do movimento, visitou o sargento Everaldo, que sofreu atentado e levou seis tiros e se encontra no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco? O movimento dos Direitos Humanos visitou ou se preocupou com os familiares do soldado Suelmo, assassinado em sua própria casa em 2009? Ou ainda se preocupou e visitou familiares do soldado Jucivan Teles, brutalmente assinado no bairro Recanto dos Buritis? A resposta é não. Militar nenhum espera algo desses movimentos, declarou o tesoureiro da AME.
Da redação de ac24horas
Rio Branco, Acre

Se com a liberação de bebidas a criminalidade é alarmante, imagem com a descriminalização do uso de outras drogas

Luana Piovani e outros famosos estrelam campanha pela descriminalização dos usuários de drogas


Luana Piovani, Luís Melo e Isabel Fillardis são alguns dos rostos da campanha Lei deDrogas: é preciso mudar da ONG Viva Rio. A instituição deseja coletar 1 milhão de assinaturas para apoiar o projeto de lei que deseja distinguir o usuário dos traficantes. Nas fotos, os atores foram fotografados como para uma ficha criminal e seguram cartazes com os dizeres "é justo isso?"

O lançamento oficial é nesta segunda-feira e, segundo a ONG, tem o objetivo de tornar a legislação sobre drogas no país mais justa e eficaz. A ideia é mudar a Lei 11.343/2006, que normatiza a política de drogas no Brasil, não faz distinção clara entre usuário e traficante. 

Segundo comunicado da organização: "Desde que entrou em vigor, o número de presos por porte de drogas no país dobrou. Essa falta de clareza está levando à prisão milhares de pessoas que não são traficantes, mas sim usuárias. A maioria desses presos nunca cometeu outros delitos, não tem relação com o crime organizado e portava pequenas quantidades da droga no ato da detenção".

Fonte: Zero Hora

Militares respondem à campanha de Luana


Campanha realizada pela internet

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Peixes fora do aquário


Militares da CCSv afirmam que estão sendo substituídos arbitrariamente no QCG

Pelo menos cinco policiais militares, em sua maioria soldados, assinaram um e-mail endereçado ao Blog 4 de Maio informando que estão sendo substituídos arbitrariamente nas seções do Quartel do Comando Geral (QCG).

Os milicianos afirmam que alguns de seus amigos já foram transferidos e que outros aguardam a assinatura de portarias. Por enquanto, a medida alcançou apenas soldados e um sargento, este aguarda um documento de apresentação em um das seções do quartel.

- Estamos sendo transferidos para que alguns soldados da última turma trabalhem em nosso lugar, afirmou um saldado.

As mudanças de cadeiras entre chefes de seção é o principal motivo para as substituições. Outro fato são os apadrinhamentos políticos dos recém-chegados à tropa.

- Estar hoje na CCSv significa: a) ter padrinho forte; b) estar com problemas médicos ou criminais; c) ser uma pessoa problemática e, por último d) ser muito competente, explicou um militar em conversa informal na noite de ontem, 28.

Os milicianos afirmam que ainda não levaram o caso ao conhecimento da Associação dos Militares (Ame).

Comentário enviado por internauta

Os princípios que regem a administração pública, conforme art. 37, caput, são legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência, formando a palavra "LIMPE". O que se observa em relação ao risco de vida é que é um ato legal, no entanto, a meu ver fere um outro princípio: a moralidade. E como todo ato lesivo à moralidade administrativa, pode ser passível de ação popular, conforme art. 5º,LXX111, CF, podendo ser impetrada por qualquer cidadão, inclusive o sr. maj. PM Rocha, eleito democraticamente pelo povo, principalmente os militares estaduais. Espero que realmente esta distorção seja corrigida pelo governador do Estado do Acre, e não apenas uma promessa política em tempos de eleição. Grato, por favor não me identifiquem!

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Tentativa de homicídio contra Sargento da PM reacende debate sobre risco de vida na ALEAC

Deputado Major Rocha defende a Isonomia do Risco de Vida. Confira o vídeo.

Polícia prende dois acusados de tentar matar sargento no Belo Jardim



Dois dos supostos envolvidos na tentativa de homicídio contra o 3º sargento da Policia Militar Everaldo dos Santos Aguiar,42 anos ocorrido na noite da segunda-feira (24), no Ramal da Zezé, Bairro Belo Jardim, já estão presos, trata-se de Marcos Rafhael Alves de Almeida, 25, “o Rafa” e Wandson dos Santos, 20, “o Messi”. A dupla foi presa na madrugada desta quarta-feira, 25 no Bairro Recanto dos Buritis. 

De acordo com a Polícia Militar a prática criminosa teria sido uma vingança dos acusados por conta de uma ação comandada pelo militar no último domingo, onde Johnathan de Souza Rodrigues, “o Johny” teria sido baleado após “furar” uma barreira policial.

Ainda segundo a PM, no domingo após Johny ser alvejado com um tiro, vários moradores protestaram contra a ação policial, entre eles Wandson, irmão de Johny e Rafhael, que muito exaltados foram detidos pela guarnição do sargento Everaldo e encaminhados à delegacia para as providencias cabíveis.

Conforme o que foi apurado pela PM passava das 20h00 quando a vítima chegou a uma empresa localizada no Bairro Belo Jardim afim de fazer uma entrega de marmitas, nesse momento ele foi cercado por quatro indivíduos que estavam em duas motocicletas e que passaram a efetuar vários disparos, durante o tiroteio o sargento Everaldo foi atingido por cerca de seis vezes, sendo que dois tiros atingiram o abdômen, um acertou o braço direito, um a mão esquerda, e dois atingiram a perna direita do militar. Logo em seguida os acusados fugiram tomando rumo ignorado levando a arma do policial militar. 

Em estado grave, Everaldo Aguiar foi encaminhado às pressas ao setor de emergência do Pronto Socorro de Rio Branco, onde foi submetido à cirurgia e encontra-se em observação médica. 

Acusados envolvidos em vários crimes – Apesar da lei do silêncio imperar na região dos bairros Recanto dos Buritis, Areal, Santa Inês e Belo Jardim, alguns moradores ainda se tomam de coragem e de forma velada denunciam as ações dos marginais. No último domingo, após a ação policial que culminou com Johnathan de Souza Rodrigues, o Johny atingindo com um disparo de arma de fogo, várias foram as denuncias informando que o rapaz era um dos responsáveis pelo comercio de drogas na região e que na companhia de seu irmão, Wandson dos Santos e de outros comparsas ditavam um regime de terror no bairro, sendo responsáveis por vários e diversos crimes. 

Johny é considerado, pela polícia e pela comunidade onde mora, um elemento de alta periculosidade e contumaz na prática de crimes, ainda adolescente ele foi um dos envolvidos na morte de um policial militar, que antes de ser executado com dois tiros na cabeça, foi espancado, torturado e teve as mãos e os pés amarrados. Fato ocorrido em setembro de 2009. Na época, Johny e outros envolvidos no crime foram presos, mas como era menor ficou poucos anos recolhido a uma das  Unidades Soício Educativas do Estado.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Sargento leva quatro tiros na noite desta segunda-feira no bairro Belo Jardim


Tentativa de homicídio foi motivada por vingança

Os policiais que trabalham na rua vivem em perigo constante, sobretudo, quando estão de folga. Na noite desta segunda-feira, 24, o sargento da PM Everaldo, pertencente ao efetivo do 2º batalhão, foi surpreendido por três elementos que disparam por quatro vezes, provavelmente com uma arma calibre 38, no Bairro Belo Jardim. A vítima foi atingida no braço, perna e abdômen e levado ao Pronto Socorro da capital. O militar corre sério perigo de morte.

De acordo com informações repassadas por policiais presentes no hospital, a motivação do crime foi vingança, já que na noite de sábado, 22, Everaldo tirava serviço em uma blitz quando teve que atirar contra Jhonata de Sousa Rodrigues, 22 anos, que teria furado o bloqueio e jogado, posteriormente, a moto sobre os policiais.

A linha principal de investigação, segundo os policiais, aponta para os irmãos de Jhonata que, na companhia de mais um comparsa, tramou e executou o crime (CONFIRA A MATÉRIA - CLIQUE AQUI).

O deputado Major Rocha, que teve a oportunidade de comandar o sargento, assim que soube do crime, foi ao Pronto Socorro acompanhar o quadro clínico do policial.

- Cheguei ao hospital quando o sargento estava na maca entrando no PS. Vi uma cena lamentável, um policial ensangüentado, com a barriga cheia de drenos. Essa é a triste realidade dos policiais militares do Acre, homens que cuidam da segurança da sociedade e correm um grande risco de morrer. O Everaldo estava de folga quando foi covardemente atacado, declarou emocionado o deputado Major Rocha.

O parlamentar promete levar a situação para ser debatida na Assembleia Legislativa no expediente desta terça, 25, e mais uma vez irá tratar sobre a isonomia.

- É da natureza da profissão o perigo, o risco de morte em serviço e fora dele, nos dias folga. O que não é justo que pessoas que não estão submetidas a esse risco cheguem a ganhar mais do que aqueles que se entregam corajosamente para defender a sociedade, continuou Rocha.

Policiais Militares permanecerão no Pronto Socorro a espera de novas informações a respeito do quadro clínico do policial.

Assistindo a tudo

Se o governador Sebastião Viana ainda não havia entendido o que significa correr risco de morte na Polícia Militar, o caso o demonstrou de maneira clara. Nas proximidades do Pronto Socorro, o chefe do executivo resolveu acompanhar o sargento e chamou às pressas o comandante e subcomandante PM, além de um séquito de oficiais intermediários e subalternos para acompanhar.

Policiais que estiveram presentes no local disseram ao Blog 4 de Maio que o governador observou pasmo a situação, mesmo sendo um médico.

- Acho que ele entendeu o que significa para a categoria a isonomia do risco de vida. Isso não acontece com oficial, só acontece com praça, declarou um graduado.

- Será que ele entendeu?, indagou um soldado.



Nesta terça-feira, 25, o Blog 4 de Maio trará mais informações a respeito do quadro de saúde do sargento Everaldo.

PEC 179 - Proposta permite a policial acumular cargo público


Leonardo Prado
Dep. Roberto De Lucena (PV/SP)
Roberto de Lucena afirma que renda dos policiais poderia aumentar com acúmulo de cargos.
A Câmara analisa a Proposta de Emenda à Constituição 179/12, do deputado Roberto de Lucena (PV-SP), que permite a acumulação de cargo de policial federal ou estadual com a de cargo público de professor ou de cargo público privativo de profissionais de saúde. A acumulação desses cargos também será permitida aos guardas municipais, segundo o texto.
Hoje a Constituição permite apenas a acumulação de dois cargos públicos de professor; de um cargo de professor com outro técnico ou científico; ou de dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde. Fora essas exceções, a acumulação remunerada de cargos públicos é proibida.
Segundo o autor, o objetivo da proposta é garantir o aumento da renda mensal dos policiais. Além disso, na visão do deputado, ao se permitir que o policial atue no magistério, também se abrirá “a oportunidade de maior integração dos alunos com a atividade de segurança” e a oportunidade de aumentar a integração do policial com a comunidade. “Essa interação seria boa para escola, muito boa para o policial e excelente para a toda a sociedade brasileira”, afirma Lucena.
Tramitação
A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania vai analisar a admissibilidade da PEC. Caso seja aprovada, a proposta será analisada por uma comissão especial e, depois, encaminhada ao Plenário para votação em dois turnos.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Lara Haje
Edição – Daniella Cronemberger

sábado, 22 de setembro de 2012

Exclusivo - Cresce o número de PMs que cometem suicídio

Uma matéria forte, uma triste realidade




Brasil diz não à ideia da ONU de pôr fim à PM


Sob o argumento de que fere a Constituição, o Brasil rejeitou na terça-feira (18) proposta apresentada na Organização das Nações Unidas (ONU) para acabar com a Polícia Militar. De uma lista de 170 sobre políticas de direitos humanos, a recomendação foi a única negada. Para o Conselho Nacional de Comandantes-Gerais das Polícias Militares, houve um equívoco na interpretação do texto - uma compilação de sugestões de diferentes países, incorporadas pelas Nações Unidas. Segundo o documento entregue pelo Brasil, publicado na terça-feira (18) no site da ONU, Brasília rejeitou a ideia, da Dinamarca, para “trabalhar na direção de abolir o sistema separado de Polícia Militar”.

Durante a reunião de maio em Genebra, diversos países europeus criticaram abertamente a violência usada pela Polícia Militar e apontaram a preocupação em relação aos números de mortes em operações. A resposta foi clara. “A recomendação não tem o apoio do Brasil, diante da Constituição, que prevê a existência de forças policiais militares e civis”, indica o documento.

“Forças policiais civis são responsáveis pelo trabalho de polícia judiciária e pela investigação de ofensas criminais, salvo ofensas militares”, explicou. “Forças policiais militares são responsáveis pelo policiamento ostensivo e pela preservação da ordem pública”, completa.

O governo ainda indicou que estava adotando medidas para melhorar o controle sobre os policiais, como a criação de um ombudsman. Além disso, estariam treinando de forma permanente os policiais em termos de direitos humanos. Nos últimos anos, diversos organismos da ONU criticaram as mortes ocorridas no Brasil por parte das forças de ordem e apontaram o fenômeno como uma das principais violações de Direitos Humanos no País.

Realizado a cada quatro anos, o evento em que o documento foi apresentado serve para sabatinar Estados sobre políticas de direitos humanos e governos de todo o mundo apresentam recomendações em relação a questões como saúde, educação e a situação de minorias.

Na quinta-feira (20), após avaliação das sugestões, o governo brasileiro volta à tribuna do Conselho de Direitos Humanos para informar os membros sobre quais medidas foram aceitas. Em quatro anos, a ideia é que as propostas aceitas pelo Brasil acabem sendo reavaliadas pelos demais governos, que cobraram a aplicação das recomendações.

EQUÍVOCO - Para o Conselho Nacional do Comando de Comandantes-Gerais das Polícias Militares, o documento da ONU não sugeriu o fim das Polícias Militares. Na visão dos conselheiros, houve equívocos na tradução que levaram os brasileiros a acreditar que era pedido o fim da PM. “O que a Dinamarca sugeriu foram medidas para acabar com a violência extralegal praticada por grupos de extermínio”, argumenta o coronel Atair Derner Filho, da PM de Santa Catarina e secretário-geral do Conselho.

O coronel afirma que a ONU, inclusive, usa o serviço de policiais militares brasileiros para treinar forças de segurança em países com instabilidade política, como Haiti e Timor Leste. “Como não houve recomendação para extinção da PM, no documento atual, ao qual tivemos acesso, de novo não localizamos esse debate”, disse o coronel. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.


sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Militares femininas também terão direito a 180 dias de licença maternidade, afirma Major Rocha


O Projeto de Lei apresentado pelos deputados Luiz Thê, Eber Machado e Eduardo Farias que dará 180 dias como Licença Maternidade às mulheres e 15 dias para os homens contemplará também aos militares da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros do Acre. A modificação do texto foi realizada a partir de um pedido do deputado Major Rocha e prontamente aceito pelos deputados propositores.

De acordo com Rocha, o projeto inicial apresentava apenas uma modificação no Estatuto dos Servidores Civis do Estado e não contemplava a PM e o Corpo de Bombeiros.

- Primeiramente é importante que eu diga que os deputados não esqueceram por maldade, tanto que eles inseriram os militares sem qualquer ressalva. O que fiz foi pedir para que o projeto se estendesse também aos militares estaduais que são assistidos pela Lei Complementar 164, explicou Rocha.

A casa legislativa votará o projeto nos próximos meses e deverá ter o apoio da maioria, senão de cem por cento dos deputados.

Um deputado nosso lá

Ao fazer a indicação, o deputado Rocha mostra a importância de um deputado representante da categoria na Assembléia Legislativa. Muitos projetos já foram enviados para Aleac sem o consentimento da categoria como aconteceu no final de 2009, quando Governo do PT queria tirar o posto a mais e a sexta parte e foi preciso chamar o maior número de policiais possível para conter o intento petista. O deputado Rocha é a segurança de que isso não vai acontecer.

A Política e a Politicagem na caserna e alguns questionamentos


As eleições, sejam para governo municipal ou estadual, sempre fazem emergir dentro da caserna a política e a politicagem. Acredito que nas mais diversas repartições do Acre não seja diferente. Dentro desse tema, meus caros companheiros de farda, quero deixar algumas observações e questionamentos. Antes de continuar, esclareço que essas linhas são fruto de conversas com vários policiais militares.

Afirmei que as eleições fazem surgir mais nitidamente a política e a politicagem. Como uma pessoa que busca o interesse da categoria em si e para si, usando os termos marxistas, desejava ouvir dos candidatos o que eles iriam fazer pela categoria se utilizando da autoridade de vereador. Não ouvi nada a respeito da parte de ninguém. Mas, o que me causou mais estranheza veio por parte dos candidatos da Frente Popular.
Sabendo que a tropa tem motivos de sobra para não gostar do PT, o que levou a alguns militares a se inserirem como candidatos por partidos que compõem a Frente Popular, regida com mão-de-ferro pelo PT? Interesse em ajudar a categoria? Aproximar-se do executivo para facilitar o diálogo?

Não foi o senhor Jorge Viana (PT) quem retirou o risco de vida dos inativos e pensionistas dos militares e depois, a duras penas, a gratificação foi re-inserida? Não foi o seu irmão, Tião Viana (PT), atual governador, quem mandou prender quase mil policiais militares por causa da paralisação nos dias 13 e 14 de maio de 2011? Não foi o atual governador quem pediu ao comando da PM que indiciasse 14 policiais pela manifestação a fim de que esses dias de paralisação não ficassem na história, como foi o dia 4 de maio? Por que não foram 13 policiais indiciados? Porque 13 é o nefasto número do partido, pegaria mal. E diante de tantas perguntas, sabe qual foi o dia escolhido para que os militares fossem ouvidos? 13 de setembro, o mesmo dia que o senhor Tião Viana anunciou a isonomia do risco de vida, com o objetivo de que o anuncio apagasse o que se passava no Fórum Barão de Rio Branco com os verdadeiros heróis da Isonomia. Por que, então, existem militares que ainda se filiam e saem candidatos por partidos da Frente Popular? Nada podemos afirmar como certo, mas é uma pergunta interessante a se fazer para eles.

Dias atrás, encontrei-me com a sargento Rosa Maria, candidata pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB), na Praça do Colégio Acreano, no centro da cidade. Ela fazia campanha, me reconheceu e veio pedir o meu voto. A conversa transcorria bem, até que falei que votaria no subtenente Veríssimo, pois já havia dado minha palavra. Ao ouvir isso, ela mudou de fisionomia e passou a atacar não somente o candidato, mas também ao deputado Rocha. “O que foi que ele fez pela PM?”, indagava ela esbravejando. “Ele é um traidor, ele é da oposição por isso a gente não ganha nada”, continuou.

Participei da manifestação nos dia 13 e 14 de maio de 2011 e não me lembro de ter visto a senhora Rosa Maria, e pelo que sei, o sargento De França (PPL) estava em casa ou aquartelado. Aliás, não lembro de nenhum candidato da Frente Popular no dia da manifestação, dia em que precisamos de lideranças, aliás, é injusto da minha parte, não os reconheço como lideranças. Deixemos por aqui.

Permita-me voltar ao diálogo com a Rosa Maria. O que os deputados da situação fizeram por sua categoria? O que o Eduardo Farias, do partido de Rosa Maria, fez pelos médicos? O que o Tião Viana fez pelos médicos? O que o Walter Prado fez pela sua categoria, a Polícia Civil? Converse com os agentes ou com os médicos do sindicato que eles dirão: nada. Eles não poderiam facilitar a conversa? Por que isso não aconteceu? Por que sua categoria saiu perdendo? Essa conversa de que uma pessoa da situação favoreceria em processo de negociação é falsa, não cola, temos exemplos práticos disso. O deputado Major Rocha, a quem tenho minhas críticas, está fazendo um belo trabalho como parlamentar, está denunciando, está apresentando projetos, e não tem se rebaixado ao nível de Rosa Maria, que tem desferido ataques constantes e injustos. Quero que o deputado passe mais nos quartéis, apresente mais projetos, embora não sejam aprovados, eu me sentirei bem representado, como me sinto agora, e o voto da minha família vai ter.

Bem, entre palavras e palavras, bastou conversar com Rosa Maria por alguns minutos para distinguir claramente a Política da politicagem. Quem não tem nada a falar de si, fala dos outros.

Preserve minha identidade caro administrador, esse povo é perseguidor.

Complementação do Blog 4 de Maio



Essa foto foi tirada no dia 21 de janeiro de 2012, hoje é 21 de setembro, oito meses foram suficientes para Rosa Maria esquecer a ajuda que o Deputado Major Rocha deu quando ela estava presa na Companhia de Guarda Penitenciária. Será que ela não iria esquecer de você também? Pense nisso.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Cooperativa de familiares dos militares abre inscrições para curso de corte e costura em Rio Branco



Uma grande oportunidade para aumentar a renda familiar. A cooperativa dos familiares dos militares estará recebendo, até o final dessa semana, inscrições para o curso de corte e costura. O público alvo são as esposas e filhas de policiais e bombeiros militares que tenham interesse de trabalhar no ramo.

De acordo com Maria Clara, presidente da cooperativa, a secretaria de pequenos negócios está oferecendo mais oito vagas para o curso, além das já preenchidas pelos membros fundadores da cooperativa.

- O curso é técnico e as candidatas aprenderão o aperfeiçoarão, na prática, os conhecimentos para o trabalho, explicou Maria Clara.

Os interessados devem ligar para o telefone 3224-7674 e falar com Mário, na Secretaria de Pequenos Negócios.